Notícia

O Atibaiense online

Atibaia prepara simpósio sobre envelhecimento saudável

Publicado em 02 agosto 2017

A Organização Mundial de Saúde estima que em 2050 haverá cerca de dois bilhões de pessoas idosas no mundo, sendo que no Brasil essa população, em 2025, representará 31,8 milhões de idosos, colocando o país no sexto lugar no ranking (Fapesp, 2016).

O aumento da longevidade e as modificações biopsicossociais advindas desse processo requerem atenção especializada no propósito da promoção, prevenção da saúde e manutenção da capacidade funcional, levando a um envelhecimento bem-sucedido com qualidade de vida. Para tal, deve-se discutir o processo saúde-doença e as modificações de hábitos comportamentais do sujeito que envelhece, mas também preparar a família, profissionais e sociedade quanto às especificidades dessa faixa etária.

Com base nesse enfoque, a Prefeitura, por sua Coordenadoria Especial do Idoso e pelo Programa Raimunda Moura para parkinsonianos, propõe a realização do 1° Simpósio de Envelhecimento e Longevidade, com o objetivo de promover o desenvolvimento técnico-científico da temática saúde-doença, envelhecimento ativo e multidisciplinaridades.

GENOMA E CÉLULAS-TRONCO

O evento está marcado para 1º de setembro, com início às 7h30, no Centro de Convenções e Eventos “Victor Brecheret” (alameda Lucas Nogueira Garcez, nº 511, Parque das Águas). As inscrições para o evento estão abertas no portal da Prefeitura, ícone "Inscrição", até 27 de agosto, ou até o preenchimento das 272 vagas disponíveis. Caso haja necessidade de alteração na programação, as temáticas serão mantidas.

O simpósio reflete tendência, atenção e foco de toda a sociedade. Exemplo: o Projeto 80+, da USP, estuda o DNA de idosos saudáveis com mais de 80 anos para descobrir que características genéticas e ambientais os fazem viver mais e melhor. Iniciado no Centro de Pesquisas sobre o Genoma Humano e Células-Tronco em 2010, o projeto tem 150 participantes e parcerias com o programa Saúde, Bem-Estar e Envelhecimento, da Faculdade de Saúde Pública da USP, e com o Instituto do Cérebro, do hospital Albert Einstein.

COLETA DE DADOS

Com a ajuda da Faculdade de Saúde Pública, que coleta dados de idosos da cidade desde 2000, o projeto elevou o número de membros de seu banco genético, incluindo pessoas a partir de 60 anos, de diferentes classes e estados de saúde. Como o conjunto pesquisado pela faculdade conta com 30% de analfabetos ou analfabetos funcionais, os pesquisadores perceberam que quem teve mais atividade intelectual durante a vida parece estar com a mente melhor na velhice.

Segundo a teoria da reserva cognitiva, a partir do exercício intelectual, criam-se conexões entre os neurônios. Se alguém tem muitas conexões, quando surgem bloqueios em um caminho, os impulsos nervosos podem seguir trajetos alternativos. Ressonâncias magnéticas feitas no Albert Einstein mostram que o cérebro de alguns idosos têm aparência mais jovem.

SEGREDO DOS OCTOGENÁRIOS

Qual é o segredo dos octogenários que são independentes, produtivos – e felizes? O que garante o alto desempenho intelectual e a produtividade na velhice? Por que alguns octogenários mantêm o domínio das capacidades mentais, a criatividade e o interesse pelo trabalho, enquanto tantos estão em casa ou sofrem de depressão ou de alguma forma de demência? Por que gente ativa ultrapassa a expectativa de vida do brasileiro (71 para os homens; 78 para as mulheres) e continua com motivação e capacidade mental para completar um século?

O envelhecimento saudável conta com outro projeto, o Sabe (Saúde, bem-estar e envelhecimento), estudo epidemiológico em andamento desde 2010 na Faculdade de Saúde Pública da USP. Coordenado pela Organização Pan-Americana de Saúde com o objetivo de coletar informações sobre as condições de vida dos idosos (60 anos e mais) residentes em áreas urbanas de metrópoles de sete países da América Latina e Caribe – entre elas, o município de São Paulo – e avaliar diferenciais de corte, gênero e socioeconômicos com relação ao estado de saúde, acesso e utilização de cuidados de saúde.