Notícia

Biólogo

As aquarelas 'perdidas': Peixes brasileiros de expedição no século XIX

Publicado em 04 fevereiro 2020

Por Eduardo Geraque | Revista Pesquisa FAPESP

As aquarelas perdidas: Livro reúne mais de 500 desenhos “perdidos” de peixes brasileiros feitos durante expedição no século XIX.

Na virada de 1865 para 1866, o artista suíço Jacques Burkhardt (1808-1867), já doente, ficou em uma casa simples às margens do rio Amazonas na cidade amazonense de Tefé, distante pouco mais de 500 quilômetros de Manaus.

As aquarelas “perdidas”

A parada na cidade amazonense foi uma das principais etapas da expedição Thayer, patrocinada pela iniciativa privada para que o naturalista Louis Agassiz (1807-1873), também suíço e amigo de dom Pedro II (1825-1891), tentasse atingir dois objetivos por meio de uma viagem inédita por grande parte do Brasil.

O primeiro, o de derrubar a teoria da evolução de Charles Darwin (1809-1882), então em consolidação, não foi alcançado. O segundo, o de estudar os peixes brasileiros, gerou uma coleção de dados gigantesca. Por volta de 80 mil espécimes da fauna brasileira, a maioria de peixes, foram levados para o Museu de Zoologia Comparada de Harvard, nos Estados Unidos, do qual o naturalista foi o fundador.

Fauna brasileira

Um incrível subproduto da expedição Thayer, um conjunto de aquarelas de peixes marinhos e de água doce elaboradas por Burkhardt, pode ser apreciado agora, pela primeira vez, em uma obra impressa, o livro Peixes do Brasil: Aquarela de Jacques Burkhardt 1865-1866. Editado em 2019 pela Edusp, o título foi organizado por dois especialistas em peixes do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo (MZ-USP), Heraldo Britski e José Lima Figueiredo.

Ilustrador suíço produziu 1.100 aquarelas de peixes brasileiros, mas o paradeiro de cerca de metade dos desenhos é ignorado

O resgate das aquarelas

Um terço dos 521 desenhos apresentados na obra, com detalhes, foi executado no casebre de Tefé. “Agassiz disse que foram feitos 1.100 desenhos de peixes durante a expedição. Espero que o livro possa contribuir para o aparecimento de mais aquarelas”, comenta Britski. “Não sabemos se as outras se perderam totalmente ou se ainda estão com alguém ou em algum lugar.”

A expedição, que havia deixado os Estados Unidos em 1º de abril de 1865, demorou 23 dias para desembarcar no Rio de Janeiro. Várias equipes foram organizadas para explorações simultâneas das áreas a serem estudadas.

Papagaio. Reprodução do livro Peixes do Brasil: Aquarela de Jacques Burkhardt 1865-1866

O grupo principal, organizado por Agassiz, do qual fazia parte o ilustrador, excursionou por várias localidades na bacia do Paraíba e coletou peixes marinhos na baía da foz do mesmo rio. A equipe, então, rumou ao Norte de navio.

Depois de Salvador, Maceió, Recife, Fortaleza e São Luís, chegou a Belém e subiu o rio Amazonas até Tabatinga, no estado do Amazonas. Na volta, na descida do grande rio, os expedicionários ficaram por mais tempo em Tefé, de onde seguiram para Manaus para promover curtas incursões na região do rio Negro.

Em seguida, passaram novamente por Belém, pararam em Fortaleza para uma última expedição ao interior do Ceará e voltaram ao Rio de Janeiro. No fim de março de 1866, partiram para os Estados Unidos.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Eco 21