Notícia

Planeta Universitário

Árvores centenárias e dignosticadas

Publicado em 06 abril 2011

Com o objetivo de preservar espécies centenárias, como tipuana, sibipiruna, pinheiro e palmeira, na região dos Jardins, uma das mais arborizadas na capital paulista, o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), a AES Eletropaulo e a associação AME Jardins – formada por moradores dos Jardins América, Europa, Paulista e Paulistano – anunciaram parceria para diagnosticar as condições de 2,2 mil árvores. O projeto, que começa neste mês, avaliará exemplares nas avenidas Brigadeiro Faria Lima, Rebouças, 9 de Julho e na rua Estados Unidos.Caberá ao IPT o diagnóstico das árvores. Para isso, a instituição utilizará duas metodologias: a Avaliação Visual de Risco, que identifica o grau de risco das árvores em relação à rede de distribuição de energia elétrica; e o Diagnóstico para Análise de Risco de Queda de Árvores.

Essa segunda metodologia, desenvolvida pela equipe do Centro de Tecnologia de Recursos Florestais do instituto, faz um levantamento das características da espécie e avalia as condições internas da árvore para verificar a presença de fungos e outros agentes biodeterioradores, identificando o grau de deterioração da vegetação.

Segundo o IPT, espera-se que até dezembro o estudo esteja concluído. O relatório final será entregue à Prefeitura Municipal de São Paulo pela AME Jardins, com sugestões de manejo, poda, monitoramento de espécies e o mapeamento dos casos mais críticos e que oferecem risco de queda.

O investimento da AES Eletropaulo na iniciativa é de R$ 500 mil e, de acordo com a empresa, servirá de diagnóstico para programar a poda de árvores com galhos próximos da rede elétrica nos Jardins.

Mais informações: www.ipt.br/centros_tecnologicos/CT-FLORESTA

Agência FAPESP