Notícia

Agora Vale

Arte do Vale do Paraíba

Publicado em 10 outubro 2011

Agência FAPESP - O Acervo Artístico-Cultural dos Palácios do Governo do Estado de São Paulo apresenta no Palácio Boa Vista de Campos de Jordão a exposição Arte e Cultura do Vale do Paraíba Paulista.

 A mostra foi inaugurada no sábado (08/10) e continuará até 29 de janeiro de 2012. São obras de arte provenientes dos palácios Boa Vista, Campos Elíseos e dos Bandeirantes, da Pinacoteca do Estado, do Museu de Arte Sacra, do Museu Redentorista e do Museu José Luiz Pasin, estes dois da cidade de Aparecida do Norte (SP). Também haverá obras raramente vistas pertencentes a coleções particulares. A mostra trará aspectos do desenvolvimento urbanístico e arquitetônico do Vale do Paraíba por meio de fotos, objetos e obras de arte. O curador é Percival Tirapeli, professor de História da Arte Brasileira do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista (Unesp). A ligação de Tirapeli com a região originou o livro Arquitetura e Urbanismo no Vale do Paraíba Paulista – do colonial ao ecletismo, que será lançado em breve pela Editora Unesp. Entre os autores com raízes no Vale do Paraíba que terão seus trabalhos expostos estão Lucílio de Albuquerque (1877-1939), Georgina de Albuquerque (1885-1962) e Clodomiro Amazonas (1883-1953), de Taubaté, José Monteiro França (1876-1944), de Pindamonhangaba, e artistas que fizeram boa parte de suas obras na cidade de Campos do Jordão: Sérgio Milliet (1898-1966), José Pancetti (1902-1958), Fulvio Pennacchi (1905-1992), Alberto da Veiga Guignard (1896-1962) e Camargo Freire (1908-1991). A exposição está dividida em salas com nomes de artistas e intelectuais que atuaram na cultura do Vale. Inicia-se pela Sala dos Bandeirantes, com pintura do artista italiano Giovanni Oppido, em grande formato. Na Sala Frei Galvão podem ser apreciadas peças sacras dos séculos 17, 18 e 19. A Sala José Luiz Pasin traz pesquisas históricas dos povos e ciclos econômicos da região. Uma sala dedicada especialmente à fotografia leva o nome do pioneiro guaratinguetaense Ernesto Quissak (1891-1991), cujos 120 anos de nascimento e 20 anos da morte são lembrados neste ano. Além de seus autorretratos, há fotografias contemporâneas de diversos autores. Na sequência, o visitante passa pelos salões Artistas Contemporâneos, Intelectuais (Sala da Biblioteca), Artistas Acadêmicos, Sala Presidente Rodrigues Alves, com o mobiliário da época, e a Sala dos Modernistas e Artistas Italianos com obras de Anita Malfatti, Tarsila do Amaral e Alfredo Volpi. Há, ainda, a Capela, com fragmentos barrocos provenientes de igrejas do Vale. Mais informações: www.unesp.br