Notícia

Diário de Pernambuco online

Arquivo de fotos e documentos da arquiteta Lina Bo Bardi é disponibilizado

Publicado em 14 fevereiro 2013

A arquiteta ítalo-brasileira Lina Bo Bardi tinha um jeito direto de dizer o que pensava. Em 1964, já vivendo no Brasil havia quase duas décadas, ela foi convidada a apresentar na Itália o projeto do Museu do Mármore para a Toscana, perto da região de Carrara. Não pôde ir por conta do conturbado contexto do golpe militar brasileiro. "Aqui a situação é complicada e tenho grandes responsabilidades no Nordeste. Fiz esboços em Milão, rapidamente", escreveu, naquele ano, a arquiteta a um dos comissários do projeto.

Lina acreditava fielmente que os italianos não entenderiam seu esboço de moderno museu e jardim selvagem sem que ela própria pudesse explicá-lo a seus conterrâneos. "Uma discussão baseada nas minhas anotações resultaria numa interpretação errada, especialmente em um país como a Itália, ainda acostumado a julgar arquitetonicamente em termos formais e não de conteúdos", argumentou.

A carta da arquiteta, escrita em italiano, está entre os seis mil documentos e cerca de 17 mil fotografias que formam o Arquivo Documental Lina Bo Bardi - preciosidade para pesquisadores que até então estava abrigada em caixas, sem nenhum tipo de organização. O material está disponível para o público a partir deste mês.

"São arquivos complexos, de uma época em que não existia computador. Portanto, as pessoas usavam telegramas, quando absolutamente necessário, e cartas. E Lina estava acostumada a anotar. Anotava tantas coisas, até seus pensamentos, por isso é interessante", diz Anna Carboncini Masini, uma das diretoras do Instituto Lina Bo e P.M. Bardi.

Foi necessário um ano e meio de trabalho intenso para catalogar e fotografar os documentos e imagens referentes ao arquivo pessoal e de trabalho da arquiteta, projeto realizado com cerca de R$ 250 mil cedidos ao Instituto Lina Bo e P.M. Bardi pela Petrobras.

Por meio de um edital da Fapesp, foi possível colocar todo o material em móveis e mapotecas especiais agora abrigados em dois quartos de serviço da Casa de Vidro, no Bairro do Morumbi, patrimônio tombado de arquitetura, local que Lina projetou e construiu para viver com seu marido, o historiador Pietro Maria Bardi, ex-diretor do Museu de Arte de São Paulo (Masp).

Os visitantes da Casa de Vidro, conservada fielmente à maneira como nela viveram Lina e Pietro (com móveis desenhados pela arquiteta e mesclando obras das artes erudita e popular), encontrarão, depois da cozinha da residência, os pequenos quartos de serviço nos quais estão as mapotecas com os documentos e fotografias catalogados. É uma surpresa poder manusear revistas da vanguarda europeia, como exemplares da holandesa Wendingen, ou edições japonesas trazidas da Itália pelo casal de italianos que se naturalizou brasileiro.

Arte popular

Outra curiosidade entre escritos, inclusive referentes a projetos não concretizados, como o do Museu à Beira do Oceano, de 1951, para São Vicente (SP), é a documentação que Lina Bo Bardi organizou espontaneamente sobre arte popular, uma de suas bandeiras.

Em uma carta de 1965, a arquiteta faz menção à censura que sofreu em relação a uma exposição de objetos da cultura nordestina que faria em Roma a pedido do Itamaraty. A mostra, semimontada com carrancas, ex-votos e bonecos de barro, foi proibida de ser inaugurada pelo então embaixador brasileiro, que disse, segundo a arquiteta: "Não abro essa exposição porque é miserável".

O próximo passo será a digitalização do arquivo documental. "Os 7,5 mil desenhos de Lina, entre projetos elaborados e esboços, já estão arrumados, catalogados e acondicionados em mapotecas. Terminamos agora esse projeto e as obras foram fotografadas", conta Anna Carboncini. Segundo a diretora, há interesse crescente - inclusive de pesquisadores estrangeiros - em torno de Lina Bo Bardi, que terá o centenário de seu nascimento comemorado em 2014.

O Centro Pompidou da França tenta, há anos e avidamente, adquirir para seu acervo conjunto de desenhos da arquiteta que projetou o Masp, o Sesc Pompeia e o Solar do Unhão, na Bahia. Há a necessidade de também catalogar o arquivo de Pietro Maria Bardi que está abrigado na Casa de Vidro (outra grande parte dos documentos e livros do historiador foi doada ao Masp).

Casa de Vidro

Projetada em 1951 por Lina Bo Bardi, a residência paulistana da arquiteta e do marido, Pietro Bardi, é considerada obra paradigmática do racionalismo artístico do país. Esse patrimônio nacional abriga o Arquivo Documental Lina Bo Bardi, que está disponível, a partir deste mês, para pesquisadores, mediante agendamento por meio do e-mail pesquisa@institutobardi.com.br. Um guia com todo o material disponível, dividido por projetos e períodos, pode ser acessado por meio do site www.institutobardi.com.br. Exemplares impressos também serão distribuídos a instituições e bibliotecas.

Portal Uai - Associados