Notícia

A Gazeta (Cuiabá, MT) online

Área rural tem um déficit de 1,7 milhão de moradias

Publicado em 08 fevereiro 2005

Na zona rural do país, a população sofre com a falta de mais de 1,7 milhão de casas, segundo levantamento do governo federal, o que representa cerca de 24% do déficit habitacional brasileiro. O projeto InovaRural, desenvolvido pela Universidade de São Paulo (USP) e pela Universidade Federal de São Carlos, tem procurado encontrar uma alternativa mais barata para a construção de moradias em áreas rurais.
O custo médio de cada unidade construída pelo projeto é de R$ 6,5 mil. As casas têm entre 65 a 75 metros quadrados. De acordo com estimativa do Ministério das Cidades, uma casa com 35 metros quadrados na área rural do estado de São Paulo custa cerca de R$ 9 mil.
A diferença do InovaRural é o uso de materiais renováveis e a construção através de mutirão dos próprios moradores, o que reduz bastante os custos da obra.
O projeto está sendo desenvolvido em um assentamento rural do município de Itapeva (SP), atendendo a 49 famílias. Cada casa possui de dois a três dormitórios, numa área construída de 65 a 75 metros quadrados. O projeto arquitetônico é definido pelos moradores, com apoio da equipe de pesquisadores.
O sistema de mutirão inclui a produção dos materiais de construção, como portas, janelas e até mesmo móveis. Para isso, foi instalada uma marcenaria coletiva dentro do assentamento. Além de diminuir o custo da obra, essa iniciativa tem servido para que os envolvidos aprendam uma nova atividade. A previsão é que a marcenaria continue a funcionar depois de as obras concluídas sob a administração da comunidade, gerando assim emprego e renda.
O InovaRural é financiado pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) e pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP). De acordo com o chefe do Departamento de Tecnologias Sociais da Finep, Carlos Sartor, o projeto pode ser tornar um modelo para as políticas de habitação rural no Brasil.
"O projeto integra ações dos pesquisadores no nível social, econômico, político e ambiental, desenvolvendo soluções para o atendimento das necessidades habitacionais do país", disse Carlos Sartor.