Notícia

Tribuna Impressa

Araraquara pode ter o 1o Centro de Pesquisa da Cachaça do País

Publicado em 11 março 2007

Por Fernanda Manécolo

Centro poderá qualificar 35 mil produtores de cachaça do Estado

Araraquara poderá ter o 1o Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Análise da Cachaça do Brasil. O projeto foi desenvolvido pelo departamento de Análise da Cachaça, que funciona hoje no Campus da Faculdade de Farmácia da Universidade do Estado de São Paulo (Unesp) de Araraquara e deve ser financiado pelo Ministério de Ciência e Tecnologia.

Segundo o professor João Bosco, pesquisador da Unesp e especialista em cachaça, o custo para a construção do prédio é de aproximadamente R$ 700 mil. Bosco conta que já procurou o Ministério da Ciência e Tecnologia diversas vezes e tem a promessa que a verba será liberada. "Este dinheiro é primordial para darmos seqüência a diversos projetos que hoje não são implantados por falta de espaço", afirma. "Temos, por exemplo, que pesquisar a diferença de cachaças produzidas em diversos tipos de tonéis, mas hoje, na faculdade, este trabalho é impossível. Não há lugar", ressalta. Entretanto, ele diz que ainda não há prazos para o dinheiro ser liberado. Segundo Bosco, a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) liberou apenas R$ 300 mil para a compra dos equipamentos e utensílios necessários no Centro. "A Fapesp está sendo uma parceira importante", diz, lembrando que os itens ainda não foram comprados porque não há onde guardá-los.

No Centro de Pesquisa haverá palestras e cursos de qualificação que poderão atender os cerca de 35 mil produtores de cachaça de todo o Estado de São Paulo e demais produtores do Brasil. "Teremos um salão para aulas com vídeos conferências, assim, as aulas do Centro quebrarão as barreiras da distância e poderão ser vistas por qualquer produtor de cachaça do País", garante.

Produção

O pesquisador afirma que, atualmente, o principal problema dos produtores de cachaça é a falta de conhecimento técnico e, neste aspecto, o Centro de Pesquisa deve ser muito útil. "Normalmente a produção é feita sem nenhum preparo e isso torna o produto menos rentável", explica. Atualmente o Brasil produz 1,3 bilhões de litros de cachaça por ano e mais de 50% desta produção é fabricada no Estado.