Notícia

Jornal da Unesp online

Araraquara cria jogos virtuais educativos de combate à dengue

Publicado em 26 julho 2011

Por Cínthia Leone

O Ludo Educativo, um projeto de jogos virtuais desenvolvido no Instituto de Química (IQ), Câmpus de Araraquara, ganhou este mês uma versão que estimula o combate à dengue. No mesmo site, outras modalidades de game para usuários a partir dos quatro anos também alertam para a doença. A ação é voltada a alunos e a educadores da rede básica que queiram usar as ferramentas como atividade extraclasse. Na web há pouco mais de duas semanas, o aplicativo já teve mais de 20 mil acessos.

A configuração do ludo se baseia no clássico jogo indiano Pachisi, cujo objetivo é fazer com que o jogador chegue até o final do tabuleiro respondendo corretamente às perguntas que aparecem no percurso. Entre as outras brincadeiras, há um game de cenários inspirado em famosos jogos de videogame dos anos 90. Nele, o usuário precisa eliminar os focos de criação do mosquito da dengue, o Aedes aegypti, para passar de fase, mas pode morrer se levar picadas do inseto. Palavras cruzadas, jogo dos sete erros e desenhos para colorir são alguns dos outros atrativos.

"Como a dengue é um assunto de interesse de prefeituras e governos estaduais, acreditamos que o número de acessos deve aumentar muito nos próximos meses", afirma o coordenador do projeto, o físico-químico Elson Longo, professor do IQ. Ele informa que a equipe já está trabalhando em projetos futuros para produção de jogos educativos em outros temas - prevenção de pragas urbanas, como ratos e baratas; reciclagem; e preservação das florestas brasileiras, por exemplo.

Prêmio internacional

O trabalho científico do CMDMC também deu origem a uma outra atividade didático-cultural: o Projeto Nanoarte, criado em 2009. A ação promove registros de imagens de materiais em nanoescala, ou seja, um milhão de vezes menor que um milímetro, captadas por meio de um telescópio eletrônico de alta precisão. O projeto envolve exposições, divulgação de vídeos na internet e produção de material didático sobre nanotecnologia para escolas de ensino fundamental e médio.

Este mês, Daniela Caceta e Rorivaldo Camargo, pesquisadores do centro, conquistaram o 5º e o 6º lugares, respectivamente, na Mostra Internacional On-line de Nanoarte - 2011, realizada em Nova York, nos EUA. As obras Birth of the World, de Daniela, e Fluorescent Starfish, de Camargo, disputaram em meio a 147 imagens. É possível conhecer essas e outras produções artísticas do grupo pelo site www.cmdmc.com.br/nanoarte .

O projeto é idealizado e mantido pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN) e pelo Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos (CMDMC), dos quais fazem parte Unesp, USP, UFSCar, UFABC, Unifesp, IPEN, CBPF, UFPB, IFMA, UFRN, UFPI, UFMS, UNB, UEG, UFGO e UEPG.

Aperfeiçoamento

A primeira versão do Ludo Educativo foi feita em 2006 pelo agora químico Manoel Guerreiro, que cursava a disciplina Prática de Ensino durante a sua graduação no IQ. A ideia inicial era usar um tabuleiro de verdade para ensinar química em uma escola pública da cidade. Em 2009, o jogo ganhou uma versão virtual, e, após a repercussão entre educadores de todo o Brasil, outras duas modalidades foram criadas: ludo educativo para estudantes pré-vestibular e para alunos do ensino fundamental em diferentes disciplinas. Ao todo, os programas já tiveram mais de 600 mil acessos.

A configuração dos jogos é constantemente aperfeiçoada, trabalho que conta com a participação da Aptor Consultoria e Desenvolvimento de Software, empresa de tecnologia da informação com sede em São Carlos (SP). O projeto tem o apoio da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), órgão ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

O acesso aos jogos pode ser feito pelos endereços www.ludoeducajogos.com.br (sobre a dengue); www.ludoeducativo.com.br (para vestibular); www.ludoradical.com.br (voltado ao ensino fundamental, do 1º ao 5º anos); e www.ludoacao.com.br (para ensino fundamental, do 6º ao 9º anos).

O usuário pode entrar em contato com a equipe de ensino dos games para propor mudanças e tirar dúvidas sobre as questões dos jogos. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (16) 3351-8214 ou pelo e-mail elson@iq.unesp.br.