Notícia

GVces - Centro de Estudos em Sustentabilidade

Aquecimento: para Stern, crise climática está mais grave

Publicado em 04 novembro 2008

Por Afra Balazina

Folha de S.Paulo

O ex-economista-chefe do Reino Unido, sir Nicholas Stern, 62, admitiu ontem que manter como limite máximo de concentração de gases-estufa no ar 550 ppm (partes por milhão), como defendia antes, é arriscado. 

Segundo ele, o ideal seria manter a concentração abaixo de 500 ppm.  Hoje, o nível é de 430 ppm. 

"Vamos atingir 450 ppm em oito anos", disse ele em evento da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).  Acima de 500 ppm, o risco de a temperatura subir 5C é alto. 

Ele disse que o investimento para estabilizar as emissões seria como pagar uma apólice de seguro para evitar um "desfecho catastrófico".  Para Stern, com o avanço da ciência é possível manter entre 450 ppm e 500 ppm. 

O lorde é autor do Relatório Stern, documento que afirma que os gastos anuais de estabilizar a emissão de gases-estufa na atmosfera seriam equivalentes a 1% do PIB mundial até 2050 e que, se nada for feito para conter as emissões, o PIB poderia ser reduzido em até 20%. 

Stern avalia que até essa sua projeção estava subestimada e que o prejuízo da inação pode ser ainda maior.