Notícia

Jornal da Cidade (Bauru, SP) online

Aquecimento global

Publicado em 21 agosto 2008

Além da derrubada das árvores, o aquecimento global que atormenta o resto do planeta também tem conseqüências sérias sobre o bioma amazônico. Uma pesquisa realizada no Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia (Inpa) com o tambaqui, peixe típico da região, detectou alterações no DNA do animal após exposições elevadas aos raios ultravioleta do sol. “Se fôssemos estudar o pirarucu, que sobe à superfície para coletar oxigênio, as alterações poderiam ser ainda maiores”, estima o cientista Adalberto Val, do Inpa.

O aquecimento do planeta também tende a reduzir uma das condições climáticas fundamentais na floresta amazônica, a umidade. “Os fungos, essenciais na ciclagem de nutrientes, são sensíveis à umidade; sem eles, muitas espécies desapareceriam”, disse Val.

As áreas chamadas de interflúvios (entre os rios) seriam as primeiras a sofrer com o aquecimento. Nessas terras é possível encontrar água cavando menos de 20 centímetros. O aquecimento tende a provocar uma diminuição do nível do lençol freático e os interflúvios ficariam mais secos. Um efeito em cadeia, então, atingiria todo o ecossistema.

Segundo o pesquisador do Inpa, com a diminuição do nível das águas, peixes dispersores de sementes como o bagre e o tambaqui não teriam mais acesso ao interior da floresta. Conseqüentemente, as plantas que dependem dessa dispersão para se reproduzir seriam prejudicadas.

(Agência Fapesp)