Notícia

Diário do Nordeste online

Após reabertura de atividades econômicas, países registram 2ª onda de contágios por coronavírus

Publicado em 13 junho 2020

Um novo aumento no número de casos e internações por Covid-19 foi registrado em diversos países semanas após reabrirem suas economias. O fenômeno, caracterizado como uma 2ª onda de infecções, já vinha sendo alertado por cientistas desde o início da pandemia de coronavírus.

No Brasil, um grupo de pesquisadores formado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e pela Fundação Getulio Vargas (FGV), publicou na revista científica Fapesp uma análise sobre uma possível nova onda no país.

A projeção feita pela equipe ainda em março considerou o aumento da movimentação do vírus nas metrópoles. Com a reabertura econômica adotada por vários estados e cidades brasileiras, as chances de uma crescente no número de infecções é alta.

Confira, a seguir, onde já foram confirmadas novas ondas de Covid-19:

Estados Unidos

Várias unidades federativas nos Estado Unidos registraram aumento de casos e internações em decorrência da Covid-19. Novas infecções foram notificadas em 22 estados do país, semanas após promoverem processos de reabertura econômica.

A governadora de Oregon, um dos estados afetados pela crescente de contágios, teve que suspender o processo de readequação das atividades comerciais por uma semana, na tentativa de conter o novo surto.

Apesar da preocupação com os efeitos dos novos casos, o presidente Donald Trump anunciou que realizará um comício no dia 19, em campanha pela reeleição. O evento, com aglomeração, ocorrerá no estado de Oklahoma, um dos que registraram uma 2ª onda.

Itália

Dois novos focos da Covid-19, em Roma, passaram a preocupar o governo italiano. Um deles é um hospital da região que registrou, nos últimos dias, 104 novos casos e cinco mortes, duas delas entre sexta-feira (12) e este sábado (13).

Além deles, um prédio ocupado de forma irregular por imigrantes, principalmente, teve nove de seus cerca de 100 moradores diagnosticados com coronavírus. Eles foram transferidos a unidades de saúde e a edificação foi isolada por policiais.

Suécia

Criticada por adotar medidas mais relaxadas de isolamento social, a Suécia registrou o maior número de mortes per capita da Europa na última semana de maio.

Apesar de ter diminuído esse índice nas semanas seguintes, o país - que chegou a ser citado por Jair Bolsonaro como um exemplo a ser seguido - ainda está no 5º lugar da lista de maiores taxas de mortalidade do continente. Ou seja, a cada 100.000 habitantes, 48 vão a óbito na nação escandinava.

Coreia do Sul

Um dos países mais bem-sucedidos em conter a pandemia em seu território, virando exemplo internacional, teve que adotar novamente medidas de isolamento na região de Seual, sua capital, após nova onda de Covid-19.

Em 28 de maio, no terceiro dia seguido de aumento casos, o país registrou 79 novas infecções na localidades, maior índice desde abril.

Dessa forma, apenas após três semanas da reabertura econômica na Coreia do Sul, a nação asiática teve que retomar o fechamento de museus, parques e galerias de arte.

Japão

Naquela semana de maio, na sexta-feira (29), outro gigante asiático passou pelo mesmo fenômeno: o Japão registrou, em um dia, 74 novos casos. As localidades de Kita-Kyushu, no sul do país, e Tóquio, a capital, se destacam: as duas, juntas, registraram 22 casos no período observado.

O Japão jamais adotou medidas rígidas de isolamento social, nem investiu em programas mais sofisticados de controle e rastreamento do vírus.