Notícia

Ambientebrasil

Apoio científico à aquicultura

Publicado em 25 agosto 2009

O Instituto de Pesca, vinculado à Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (Apta), órgão da secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado (SAA), inaugurou no dia 11 de agosto o Laboratório de Análise de Qualidade de Água, situado no Parque da Água Branca, em São Paulo.

Segundo o Instituto de Pesca, trata-se de um dos únicos laboratórios no Brasil a concentrar, em uma só unidade, análises físicas, químicas e biológicas da água, a fim de dar suporte à sustentabilidade ambiental das inúmeras atividades relacionadas ao meio aquático.

Com o novo laboratório, a SAA será o primeiro órgão público qualificado a atender os diferentes setores do agronegócio - e em especial as atividades voltadas à pesca e à aquicultura, que são dependentes da qualidade dos recursos hídricos.

O laboratório também atenderá a demanda de outros setores não vinculados diretamente ao agronegócio, como a indústria, que necessita de análises frequentes para avaliar a qualidade de seus efluentes líquidos.

O laboratório será utilizado por qualquer setor que tenha alguma interface com o meio aquático, segundo o Instituto de Pesca. Os principais ensaios laboratoriais incluem análises ambientais que fornecem subsídios às medidas de preservação da vida aquática.

O aquicultor poderá utilizar o laboratório para analisar a qualidade da água antes da sua captação, durante a atividade - a fim de melhorar a produção - e depois de seu uso, para assegurar que o processo não esteja poluindo o meio ambiente.

O suporte às análises envolvidas nos processos de regulação do uso e ao monitoramento da água, dentro da Política Nacional de Recursos Hídricos, será outra atividade do laboratório. Com isso, ele permitirá garantir um sistema de informações confiável para a gestão desse recurso no âmbito nacional.

O governo paulista investiu, em 2008 e 2009, mais de R$ 477 mil na adequação e modernização do Laboratório de Análise da Qualidade da Água do Instituto de Pesca. Desse total, mais de R$ 377 mil foram destinados a obras civis, como a adequação do antigo e desativado galpão de inseminação artificial do Parque da Água Branca.

O restante foi utilizado na fabricação e instalação de mobiliário específico para laboratório, como bancadas e capelas de exaustão. Com esses investimentos, a estrutura física está pronta para a implantação do sistema de qualidade visando às certificações ISO 9001:2000, voltada para a gestão, e ISO 17025, específica para laboratórios.

(Fonte: Agência Fapesp)