Notícia

Metro Jornal online

Aplicativo que encontra animais por meio de reconhecimento facial será testado em Vinhedo

Publicado em 06 julho 2017

“Meu cachorro fugiu na sexta-feira. Ainda não encontramos. Tentei em grupos no Facebook, fiz cartazes, mas até agora nada”, diz a cabeleireira Naide Bella, 40. Esse é um drama vivido por centenas de pessoas que acabam perdendo seus animais de estimação.

Porém, a partir de agora, encontrar o animal deve ficar mais fácil. Enquanto as grandes empresas de telefonia trabalham para criar ferramentas de segurança com identificação facial para seus clientes, uma startup da região de Campinas, chamada SciPet, desenvolveu um aplicativo para identificar animais, por meio também de identificação facial e corporal. Assim, encontrar cão perdido tem tudo para ficar mais fácil.

Trata-se do CrowdPet, um aplicativo colaborativo que funciona como uma espécie de “Instagram de animais”, com banco de dados que contará com a localização dos pets.

“Nosso foco é a identificação do indivíduo. Você cria sua conta e pode criar uma galeria de fotos, com seus animais de estimação. Cada vez que tirar foto deles, o sistema vai aprendendo a identificar ele como seu, pelos traços e pela localização”, comenta Fábio Piva, idealizador do projeto e criador da startup.

Nesse caso, a foto aparece apenas para o usuário e os amigos também cadastrados no aplicativo. No caso do usuário identificar uma foto como sendo de um animal de rua, ela vira pública e automaticamente aparece para todos os cadastrados no aplicativo, ajudando em caso de intenção de adoção ou em caso de ser um animal perdido. Nessa última situação, o próprio aplicativo vai identificar o dono, por meio de fotos tiradas do animal anteriormente.

Os primeiros testes práticos serão realizados em dois pontos da cidade de Vinhedo: no condomínio Estância Marambaia, que possui 1,1 mil residências, e no Centro de Zoonoses da cidade. Nesses locais, haverá cadastro de animais para ver como o sistema opera e, a partir daí, corrigir falhas, caso elas ocorram.

A ideia veio resolver a demanda encontrada pela ONG Sopravi, que trabalha junto da startup para testar o aplicativo. “Isso será ótimo. Eu tenho muito animais e temos a demanda grande nesse sentido. Hoje temos apenas o Facebook para tentar encontrar um animal perdido, mas é muito difícil a comunicação. Agora, com esse reconhecimento facial, vai ficar muito mais fácil”, comentou Alessandra Fontanesi, presidente da ONG.

De início, os testes do aplicativo – desenvolvido inicialmente para sistemas operacionais Android – acontecerão em agosto. A intenção é lançá-lo no mercado até o fim do ano.

“Se tudo der certo, nossa intenção é criar também para iOS, mas para isso precisamos de mais recursos”, disse Piva. O projeto é desenvolvido com financiamento da Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo).

Por: Carlos Giacomeli - Metro Jornal Campinas