Notícia

Terra

Antártida: achado aponta mudança climática há 15 mi de anos

Publicado em 26 março 2012

Cientistas brasileiros identificam estrutura glacial na Antártida que comprova a ideia de que o continente antártico passou por uma fase de glaciação há cerca de 10 milhões de anos, após um período de aquecimento há cerca de 15 milhões de anos.

A descoberta dos pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) é fundamental para o esclarecimento da história paleoclimática da Antártida há 15 milhões de anos, durante o período conhecido como Mioceno.

A estrutura glacial, também conhecida como clastos (fragmentos de rocha), comprova ter havido um período de expansão do manto de gelo da Antártica Ocidental, após o intervalo de aquecimento, denominado Ótimo Climático do Mioceno, quando se estima que o manto de gelo antártico começou a se expandir.

"O pavimento documenta um importante evento paleoclimático da Antártica Ocidental durante o Mioceno", explica o professor do Instituto de Geociências da USP e coordenador do projeto, Antonio Carlos Rocha Campos.

O pavimento de clastos glacial é produzido pela ação de geleiras. Ao deslizarem sobre a superfície na qual se encontram, elas arrastam consigo fragmentos de rocha. O pavimento tem origem na liberação dos fragmentos de rochas, que são realojados subglacialmente (abaixo da camada de gelo) e erodidos durante o avanço da geleira, resultando em uma espécie de calçada de pedras.

Em 2011, durante pesquisa na Ilha de Seymour (Marambio), a equipe de pesquisadores do Programa Antártico Brasileiro (Proantar), integrada por Rocha Campos, identificou pela primeira vez esse tipo de estrutura glacial nessa parte do continente, de acordo com informação da Agência Fapesp.

"A história da glaciação na Antártica durante o Mioceno era contada com base em evidências que ainda deixavam dúvidas. A existência do pavimento de clastos esclareceu a questão. São estruturas sabidamente associadas à ação de geleiras", afirma Campos.

Os pesquisadores pretendem analisar agora outras fases da história daquele continente, há cerca de 30 milhões, quando houve uma notável mudança climática em toda a Antártica, associada ao início da formação do manto de gelo que cobre o continente.

"A história da formação do manto de gelo é cheia de irregularidades. Não houve só uma diminuição gradativa da temperatura e aumento progressivo da massa de gelo na Antártida, mas uma alternância entre épocas de clima mais ameno, seguidas de fases de clima mais quente", explica Campos. Uma das evidências utilizadas para caracterizar essas mudanças climáticas são os depósitos de origem glacial.