Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Anderson Rocha assume diretoria do IC

Publicado em 01 abril 2019

Por Manuel Alves Filho

Os professores Anderson de Rezende Rocha e Leandro Aparecido Villas tomaram posse nesta sexta-feira (29) como diretor e diretor associado do Instituto de Computação (IC) da Unicamp, respectivamente. Rocha substitui o professor Rodolfo Jardim de Azevedo, atual presidente da Universidade Virtual do Estado de São Paulo (Univesp), de quem foi diretor associado, para o cumprimento de um mandato de quatro anos. A cerimônia de posse, presidida pelo reitor Marcelo Knobel, ocorreu no Instituto Eldorado, localizado ao lado do campus de Barão Geraldo. Após assumir a direção do IC, Rocha conduziu uma solenidade em comemoração aos 50 anos da criação do curso de bacharelado em Ciência da Computação pela Unicamp.

Em seu discurso, o novo diretor do IC falou sobre sua origem humilde e do esforço que realizou para fazer graduação e pós-graduação. “Estudei em escola pública. O sonho de estudar numa universidade pública como a Unicamp parecia impossível. Felizmente, graças ao apoio de muita gente, me tornei aluno de pós-graduação, posteriormente docente da Universidade e hoje assumo, com muita honra, a função de diretor do Instituto de Computação”, disse.

Rocha prometeu trabalhar firmemente pelo avanço do IC. Segundo ele, há espaço para ampliar a internacionalização das atividades da unidade, bem como as parcerias com a iniciativa privada, entre outros aspectos. Ao transmitir o cargo ao sucessor, Azevedo lembrou que sua gestão à frente do IC enfrentou uma crise orçamentária sem precedentes.

Por causa desse cenário, afirmou, não foi possível executar as obras físicas necessárias, mas mesmo assim foram registrados progressos. “Conseguimos aumentar o número de parcerias com empresas, ampliamos o número de Projetos Temáticos Fapesp, obtivemos doações de equipamentos e conquistamos doações de bolsas de estudos por parte de empresas fundadas por ex-alunos do IC”, relacionou Azevedo.

A coordenadora geral da Unicamp, professora Teresa Atvars, observou que, a despeito da crise orçamentária enfrentada pela Universidade, o IC manteve-se como um importante centro de referência na área, produzindo pesquisas de qualidade e que trazem importantes benefícios para a sociedade. “O IC reflete o espírito da Unicamp. Somos uma Universidade pública, que quer continuar sendo pública para melhor servir à sociedade brasileira”.

O reitor Marcelo Knobel agradeceu a colaboração do professor Azevedo durante o período em que ocupou a diretoria do Instituto e desejou boa sorte ao professor Rocha na nova etapa. “Quero colocar a Administração Central da Unicamp à disposição da nova diretoria para colaborar no que for possível. Aproveito para parabenizar o IC pelos 50 anos de implantação do curso de Ciência da Computação, o que constituiu uma iniciativa pioneira nessa área no Brasil”, pontuou.

Também integraram a mesa de autoridades o diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e ex-reitor da Unicamp, Carlos Henrique de Brito Cruz; e o assessor especial do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Aristides Pavani Filho, que na ocasião representou o ministro Marcos Pontes. Ambos salientaram a qualidade do ensino e da pesquisa realizados pelo IC, cumprimentaram Rocha pela posse e desejaram que a unidade continue cumprindo trajetória de sucesso ao longo dos próximos anos.

50 anos

Logo após a cerimônia de posse da nova diretoria do IC, houve uma solenidade em comemoração dos 50 anos da criação pela Unicamp do curso de bacharelado em Ciência da Computação, o primeiro do gênero do Brasil. Na ocasião, o professor Anderson Rocha apresentou alguns dos principais indicadores de produtividade do Instituto.

Em seguida, ele convidou três professores pioneiros do curso, hoje aposentados, para falar sobre o início das atividades: Rubens Murilo Marques, Tomasz Kowaltowski e Cláudio Lucchesi. O trio relembrou com bom humor os desafios envolvidos na implantação de um curso ainda desconhecido pela maioria das pessoas, inclusive as que viviam no ambiente acadêmico.