Notícia

O Povo online

Anabolizantes maquiados

Publicado em 24 janeiro 2009

Um em cada quatro suplementos vendidos em academias tem substâncias de natureza hormonal não declarada, aponta estudo

Imprimir Corrigir  Um estudo feito no estado de São Paulo pelo Instituto Adolfo Lutz (IAL) concluiu que um em cada quatro produtos comercializados em academias de ginástica como suplementos nutricionais para praticantes de atividade física tem substâncias de natureza esteroidal não declaradas nos rótulos.

O trabalho analisou 111 produtos comercializados em São Paulo, apreendidos pelos serviços de vigilância sanitária. As análises foram realizadas no Laboratório de Antibióticos e Hormônios do Instituto Adolfo Lutz, órgão vinculado à Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo.

Do total de 28 amostras (25,5%) que apresentaram substâncias esteroidais destinadas ao desenvolvimento de massa muscular, 7% tinham sais de testosterona em suas fórmulas. “A identificação dos sais indica que esses produtos contêm esteróides anabolizantes e estão sendo vendidos ilegalmente”, disse Maria Regina Walter Koschtschak, pesquisadora do IAL. “Em contrapartida, 18,5% dos suplementos analisados também apresentaram substâncias de natureza esteroidal, mas que não pudemos identificar com precisão devido à falta de padrões de comparação”.

Esteróides anabolizantes são drogas fabricadas para substituir a testosterona, o hormônio masculino fabricado pelos testículos que ajuda no crescimento dos músculos (efeito anabólico) e no desenvolvimento das características sexuais masculinas (efeito androgênico). “A importância do estudo está na demonstração dos riscos que muitos atletas no Brasil correm ao consumir substâncias desconhecidas, ainda mais se tratando de drogas perigosas que oferecem efeitos colaterais muito variados”, afirmou .

Segundo ela, duas portarias de 1998 da legislação brasileira regulamentam os suplementos fixando identidade e características mínimas de qualidade, excluindo os produtos que contenham substâncias farmacológicas estimulantes, hormônios e outras substâncias consideradas como doping pelo Comitê Olímpico Internacional (COI).

O levantamento também apontou que 85,6% dos suplementos analisados não apresentavam informações de procedência e, das demais amostras, 5,4% eram nacionais e 9%, importadas.

A pesquisadora destaca que, quando ingeridas sem orientação médica, essas substâncias podem causar problemas como impotência sexual, insônia, dor de cabeça, acne, crescimento indevido de pelos, aumento de agressividade, aumento da pressão e até infarto. (Agência Fapesp)

> O simples consumo de proteínas, carboidratos e sais minerais, afirma a pesquisadora do Adolfo Lutz Maria Regina Walter Koschtschak, não promove o crescimento da massa muscular como anunciam muitos produtos do gênero. “Se existe alguma promessa desse tipo é porque existe alguma substância para promover esse aumento. É preciso ficar atento à propaganda”, diz.

> Alguns indícios podem acender o sinal de alerta para aqueles que consomem suplementos nutricionais. “O aumento da agressividade, a flutuação repentina do humor e até estados depressivos ou de paranoia podem ser percebidos”, diz Maria Regina. “Se a pessoa notar esses sintomas e estiver consumindo algum suplemento, seria conveniente ir ao médico para fazer uma dosagem hormonal.”

> Há ainda outros efeitos colaterais que podem ser percebidos no longo prazo, como aumento do colesterol, hipertensão arterial, acne, queda de cabelo e enfarte do miocárdio.

> Nos homens, os esteroides podem causar redução da produção hormonal, aumento das mamas, câncer de próstata, atrofia testicular e impotência.

> Nas mulheres, irregularidades menstruais, alargamento das cordas vocais, aparecimento de pelos, atrofia mamária e hipertrofia clitoriana.

> Mesmo os suplementos que estão de acordo com a legislação não são inócuos e não devem ser tomados sem orientação adequada. Aqueles com grande teor de proteínas, por exemplo, podem causar problemas renais se tomados em quantidade incorreta. A dosagem varia de pessoa para pessoa.

> O único profissional que pode recomendar suplementos é o médico ou nutricionista.