Notícia

Embrapa

Ampliação da parceria entre Brasil e Canadá é discutida em reunião de comitê bilateral

Publicado em 20 junho 2018

A parceria entre a Embrapa e instituições canadenses no desenvolvimento de projetos de cooperação bilateral foi o tema apresentado pelo gerente de Relações Estratégicas Internacionais (Grei), pesquisador Alexandre Amaral, durante a 4ª reunião do Comitê Conjunto de Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação (CCCT), realizada no dia 14 de junho, no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), em Brasília, DF. Na pauta do encontro, que teve a participação de representantes brasileiros e estrangeiros, a definição de áreas prioritárias de interesse conjunto, como a nanotecnologia, agricultura, biotecnologia e biomedicina. A perspectiva é a de que, a partir dos acordos de parceria, os dois países tenham a possibilidade de aproximação nos setores industrial de biomassa, química renovável, cidades inteligentes, energias sustentáveis e Internet das Coisas.

No painel relacionado à agricultura, do qual o representante da Empresa participou, a Embrapa dialogou com a University of Guelph (UofG), principal instituição ligada ao tema no Canadá, e com a Agriculture and Agri-Food Canada (AAFC), departamento do governo canadense responsável por apoiar os diversos segmentos do setor agrícola e colaborar com os governos provinciais e territoriais no desenvolvimento e implementação de políticas e programas.

Pela AAFC, esteve presente o chefe substituto da divisão internacional, Yannik Melancom, que citou o interesse da instituição em desenvolver parceria com a Embrapa na área de mudanças climáticas. Representando a UofG, participou o pró-reitor de Pesquisa, professor Malcolm Campbell, que apresentou o programa Food from Thought, liderado pela universidade e que tem a Embrapa como uma das instituições estrangeiras que apoiou a proposta em sua submissão. Aprovado em 2016 pelo governo do Canadá e financiado pelo Canada First Research Excellent Fund, o programa de pesquisa representa o maior recurso já investido em um programa individualmente na história da Universidade, atingindo um total de 76,7 milhões de dólares canadenses.

O objetivo do Food From Thought é aumentar a capacidade da pesquisa e da inovação em prol da produção de alimentos e da biodiversidade em níveis global, de paisagem e de microescala. O programa se destina ainda a integrar e fortalecer os recursos de gerenciamento e análise de dados da universidade e com os parceiros, além de apoiar iniciativas de professores e alunos. A Embrapa está analisando sua participação na iniciativa, que tem como principal área de atuação a “digitalização” da agricultura.

Segundo Alexandre Amaral, a interação da empresa com instituições de pesquisa e ensino do Canadá tem crescido de forma substancial nos últimos anos. “Isso porque temas como intensificação sustentável, agricultura digital e mudanças climáticas trazem uma série de interesses comuns entre os países, o que se reflete, naturalmente, na carteira de projetos de suas organizações científicas”, comenta.

Para o diretor do Departamento de Temas Científicos e Tecnológicos do Ministério das Relações Exteriores, embaixador Benedicto Fonseca Filho, o objetivo do comitê é acrescentar um elemento de apoio, de estímulo, de conexão entre as pessoas, além de contribuir com a agregação de valor e o reforço das estratégias de cooperação bilateral. Regidas pelo Acordo Quadro Brasil-Canadá para Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação, assinado em 2008, as relações entre os dois países tem como principal espaço de articulação o Comitê Conjunto para Cooperação em Ciência, Tecnologia e Inovação Brasil-Canadá (CCCT).

Além do gerente de Relações Estratégicas Internacionais da Embrapa, estiveram presentes à reunião o presidente de Pesquisa em Ciências Sociais e Humanidades do Canadá, Ted Hewitt, o chefe da Assessoria de Assuntos Internacionais do MCTIC, ministro Luis Felipe Fortuna, e representantes do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), Finep e Fapesp.