Notícia

UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Amigos, familiares e ex-alunos homenageiam Daniel Hogan

Publicado em 27 abril 2011

Por Manuel Alves Filho

O professor Daniel Joseph Hogan, falecido em 27 de abril de 2010, foi homenageado na noite desta quarta-feira (27) em cerimônia organizada pelo Núcleo de Estudos de População (Nepo) da Unicamp, no Centro de Convenções da Universidade. Na oportunidade, docentes, pesquisadores e ex-orientandos destacaram a importância de Hogan tanto como cientista, principalmente na área de demografia e meio ambiente, quanto como ser humano, a quem classificaram, entre outros adjetivos, de gentil, atencioso e aglutinador. Segundo o reitor Fernando Ferreira Costa, que presidiu a mesa do evento, um dos principais legados que o ex-pró-reitor de Pós-Graduação deixou foi o significativo número de pessoas que ajudou a formar.

Ao todo, sete pessoas fizeram uso da palavra para falar sobre Hogan e a sua carreira. Em comum, assinalaram os atributos do homenageado como docente, pesquisador e amigo. "O professor Daniel atuou de maneira afetuosa e dedicada em todos os campos. Foi um educador competente, um mentor capacitado e um pesquisador inovador. Também teve participação importante na construção da Universidade, através das contribuições que fez no âmbito dos órgãos colegiados, notadamente nas discussões sobre os caminhos que a instituição deveria seguir", afirmou o reitor Fernando Costa.

Emocionado, o chefe do Departamento de Demografia do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), José Marcos Pinto da Cunha, disse que Hogan foi uma pessoa transparente, firme e objetiva, sem deixar de ser um cavalheiro. "Em vários momentos, senti inveja - uma inveja boa - da sua capacidade de aglutinação e da forma como conseguia conferir aos grupos que coordenava o espírito de coletividade". Eduardo Marangola, pesquisador do Nepo, afirmou que o ex-pró-reitor de Pós-Graduação foi um exemplo de professor. "Sabia ouvir, falar e ensinar".

As ideias originais que Hogan trouxe para o Nepo, que ajudou a fundar, foram lembrados pela coordenadora do Núcleo, Regina Maria Barbosa. "A convivência com ele sempre foi enriquecedora. Daniel sabia conviver com a divergência, sem abrir mão de ser gentil ou de suas convicções mais caras". Marcos Queiroz, que falou em nome da titular da Coordenadoria de Centros e Núcleos Interdisciplinares (Cocen), Itala Maria Loffredo D"Ottaviano, enfatizou que o homenageado da noite teve uma trajetória de intelectual diferenciada. "Ele não apenas pensou sobre os temas do seu interesse, como também estabeleceu novos métodos e procedimentos. Foi um pioneiro em trazer novos conhecimentos para a sua área de atuação".

Representante do Fundo de População das Nações Unidas, Taís Santos revelou que teve a honra de trabalhar ao lado de Hogan, a quem definiu como educado, prestativo e articulado. "Daniel era suave como pessoa e rigoroso e profundo como pesquisador". A diretora do IFCH, Nádia Farage, também relacionou as inúmeras qualidades de Hogan. Entre elas, enfatizou o empenho que o docente sempre teve no sentido de assegurar melhores condições para o ensino e a pesquisa na Unicamp.

Durante a cerimônia, a viúva do homenageado, Rosane Hogan, assinou o termo de doação do acervo do marido à Unicamp. Ela foi homenageada com uma placa e um vaso de flores. Na sequência, houve a abertura oficial do seminário internacional População e Espaço na Mudança Ambiental: cidades, escalas e mudanças climáticas, que prosseguirá nesta quinta e sexta-feira. Ainda como parte das homenagens a Hogan, foi realizada uma exposição com algumas peças do acervo do intelectual, como livros, cadernos de anotações e documentos acadêmicos, bem como o lançamento de cinco livros nos quais o ex-pró-reitor de Pós-Graduação da Unicamp participou como autor ou organizador. Daniel Joseph Hogan, sociólogo e demógrafo de reconhecimento internacional, faleceu na madrugada de 27 de abril de 2010. Fundador do Núcleo de Estudos de População (Nepo), era também pesquisador de Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (Nepam) e docente do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH). Exerceu o cargo de pró-reitor de Pós-Graduação da Unicamp de 2002 a 2005, foi presidente da Associação Brasileira de Estudos Populacionais (Abep) e era membro da Academia Brasileira de Ciências. Suas atividades de pesquisa concentraram-se nas relações entre dinâmica demográfica e as mudanças ambientais. Seus trabalhos mais recentes estavam na direção das dimensões humanas das mudanças ambientais globais, sobre o qual se debruçava com um projeto temático junto ao Programa Fapesp de pesquisas sobre mudanças climáticas.