Notícia

Gazeta Mercantil

Americanos tiram proveito da descoberta

Publicado em 23 maio 2002

O seqüenciamento da bactéria Xylella fastidiosa, conhecida por causar a praga do amarelinho nas lavouras, já rendeu frutos internacionais para a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Pesquisadores americanos descobriram que uma variante da bactéria era responsável por grandes estragos nas vinícolas de San Luis Obispo, cidade do interior da Califórnia, nos Estados Unidos. A região, grande produtora de vinhos nobres, vivia sob a constante ameaça da ação da bactéria, que produzia a doença de Pierce, praga que devora as videiras. Em agosto de 2000, o Departamento de Agricultura dos Estados unidos propôs à Fapesp uma parceria para seqüenciar o genoma da Xylella da videira. A equipe, formada pelos pesquisadores brasileiros Marie-Anne Van Sluys e Mariana Cabral de Oliveira, ambas da Universidade de São Paulo, e João Paulo Kitajima, da Universidade Estadual de Campinas, uniu-se aos pesquisadores norte-americanos para realizar o trabalho de seqüenciamento da bactéria. IMPRENSA INTERNACIONAL O resultado da ação conjunta Brasil-Estados Unidos foi muito positivo. O projeto vitorioso foi divulgado pelo jornal The New York Times. Lori Connelly, professora da terceira série primária de um colégio em San Luis Obispo, resolveu trabalhar o assunto com seus alunos. A professora contou a história da Xylella e mostrou aos alunos, todos entre oito e nove anos, como era possível trabalhar em cooperação com pessoas de qualquer lugar do mundo, e obter sucesso no projeto. Impressionados com os estragos que a bactéria estava causando nas vinícolas da cidade, vinte e nove estudantes escreveram cartas de agradecimento aos cientistas brasileiros. "Lori ensinou às crianças que os pesquisadores de todo o mundo são iguais, e foi além das diferenças entre países pobres e ricos", diz Andrew Simpson, do Instituto Ludwig de Pesquisa contra o câncer, coordenador do primeiro projeto genoma da Fapesp. As cartas têm o mesmo tom de escrita: "Obrigado pelo trabalho duro que vocês fizeram! Obrigado por terem nos ajudado a salvar e proteger nossa cidade!" Hoje, o diretor científico da Fapesp, José Fernando Perez, encontra-se em um evento especial em Washington, nos Estados Unidos. Organizado pela embaixada brasileira nos Estados Unidos, o seminário entitulado "Ciência e Tecnologia para o Agribusiness: Cooperação Estados Unidos-Brasil" mostra, entre outros tópicos, o projeto encabeçado pela Fapesp na Califórnia e os resultados obtidos. Sob o tema Pierce's Disease (Doença de Pierce), o professor Perez falará sobre a experiência do seqüenciamento da Xylella para acabar com a praga das vinícolas em San Luis Obispo. "O convite para participar deste seminário coroa todo o trabalho da Fapesp realizado até o momento. É, sem dúvida alguma, um grande reconhecimento internacional", comemora o diretor científico da Fapesp.