Notícia

Jornal do Brasil

Americanos detectam novo vírus de hepatite

Publicado em 27 janeiro 1996

Por LAURIE GARRETT - Newsday
WASHINGTON - Cientistas descobriram um novo tipo de vírus de hepatite que pode estar presente em 1,7% dos estoques de bancos de sangue nos Estados Unidos. A nova variedade provoca uma forma grave e, às vezes, fatal da doença. Em um artigo publicado na edição de ontem da revista Science, pesquisadores batizaram a variedade de hepatite G. Segundo eles, a descoberta foi resultado de um esforço internacional para identificar a causa de aproximadamente 3% dos casos de hepatite aguda, que não eram provocadas por infecções dos vírus de hepatite de A a F. O novo vírus foi encontrado através de técnicas de sensoriamento genético. Ainda não existe uma maneira simples de examinar rotineiramente amostras de sangue era busca da doença. Por isso, algum nível de contaminação é inevitável. Identificação - "A razão desta pesquisa é que, quando se examina atentamente os casos de hepatite nos Estados Unidos, existe sempre um grupo residual de pessoas em que não se consegue identificar a causa do problema", diz Harold Margolis, do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Margolis fez parte do esforço internacional que incluiu cientistas da empresa de biotecnologia Genelabs Technologies, de São Francisco, da Universidade de Stanford, do Instituto Nacional de Saúde, em Bethesda, e de centros de pesquisa na Austrália, Alemanha, Inglaterra e Grécia. "Será que o novo vírus está relacionado a todos os casos inexplicados de hepatite?", pergunta-se Margolis. "Provavelmente não. Haverá outros vírus por ai? Sim. Até onde chegaremos? Algum dia encontraremos a hepatite Z? Quem pode saber?", questiona o pesquisador. Transmissão - Hepatite é o termo médico referente a uma infecção grave no fígado. Todas as viroses conhecidas de hepatite têm maneiras próprias de transmissão e provocam males que vão de uma leve irritação no fígado até câncer terminal. Todas as viroses de hepatite - inclusive a G - podem ser transmitidas por transfusões de sangue e derivados. O que está em questão agora é qual o grau de perigo que a contaminação de hepatite G apresenta para os bancos de sangue. É possível até que seja necessária uma exposição intensa ao vírus para contrair a doença. O CDC vai priorizar ás pesquisas neste sentido. E a Genelabs está tentando desenvolver um teste de rotina, mais simples, capaz de rastrear amostras de sangue em busca de contaminação.