Notícia

O Estado (MS) online

América Latina vai juntar forças em áreas estratégicas da Física

Publicado em 08 maio 2019

Por José Tadeu Arantes  |  Agência FAPESP

Pesquisadores de diversos países latino-americanos formaram um grupo de trabalho com o objetivo de reunir subsídios para a produção de white papers – relatórios com informações e propostas – sobre possíveis pesquisas colaborativas a serem realizadas, e a infraestrutura necessária para isso, em três grandes campos de estudos: Física de partículas de alta energia, Astrofísica e Cosmologia.

A articulação que resultou na criação do “grupo preparatório” ocorreu durante o primeiro Fórum Estratégico Latino-Americano para Infraestrutura na Pesquisa (LASF4RI)http://www.ictp-saifr.org/workshop-on-the-latin-american-strategy-forum-for-research-infrastructure/, realizado em São Paulo nos dias 30 de abril e 1º de maio.

Sediado pelo Instituto Sul-Americano para Pesquisa Fundamental (ICTP-SAIFR), o fórum, realizado no Instituto de Física Teórica da Universidade Estadual Paulista (IFT-Unesp), foi um evento paralelo à 8ª Reunião Anual do Global Research Council (GRC). E contou com apoio da FAPESP.

Foram eleitos para compor o grupo preparatório Xavier Bertou e Hernán Wahlberg, ambos da Argentina; Martin Alfonso Subieta Vasquez, da Bolívia; Rogério Rosenfeld, Thiago Gonçalves e Leandro de Paula (observador), do Brasil; Alfonso Zerwekh e Mauro Cambiaso, do Chile; Marta Losada e Diego Restrepo, da Colômbia; Lofti Boubekeur, Harold Yepes Ramírez e Edgar Carrera, do Equador; Alfredo Aranda, Gerardo Herrera e Juan Carlos D"Olivo, do México; Jorge Molina, do Paraguai; Alberto Gago, do Peru; e Reina Camacho e Arturo Sanchez, da Venezuela. A coordenação geral foi atribuída a Marta Losada, reitora da Universidad de Nariño, na Colômbia.

Além dos integrantes das comunidades científicas latino-americanas, o grupo preparatório deverá incorporar também quatro representantes de outras regiões do mundo. Desses, já foi escolhida Marcela Carena, diretora de Relações Internacionais do Fermi National Accelerator Laboratory (Fermilab) e professora da University of Chicago, nos Estados Unidos. Os outros três ainda não foram nomeados.

“O grupo preparatório vai apresentar os white papers para um comitê estratégico composto por cientistas eminentes e representantes das agências de fomento à pesquisa. O grupo estratégico escolherá, dentre as propostas apresentadas, aquelas que devem ter prioridade para compor um projeto-piloto”, disse o físico Nathan Berkovits à Agência FAPESP. Berkovits é professor titular do IFT-Unesp e diretor do ICTP-SAIFR, que tem apoio da FAPESP.

“O presidente do comitê estratégico será Luciano Maiani, que foi diretor do Cern [Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear] de 1999 a 2003. E o vice-presidente será Fernando Quevedo, diretor do ICTP [Abdus Salam International Centre for Theoretical Physics], sediado em Trieste, na Itália”, disse.

Todo esse grande esforço de articulação visa impulsionar a pesquisa em áreas estratégicas da física na América Latina, emancipando o subcontinente da posição subalterna em que se encontra por razões históricas e políticas. O exemplo que inspira a iniciativa é o do próprio Cern, que nasceu em 1949 em uma Europa que acabava de emergir do pesadelo da Segunda Guerra Mundial e ocupa hoje posição de vanguarda na ciência mundial.

Concebida por um pequeno grupo de físicos visionários – entre eles, gigantes da ciência como Niels Bohr, Louis de Broglie e Pierre Auger – a organização visava estancar a evasão de cérebros para os Estados Unidos e fornecer uma base intelectual para a reconstrução da Europa.

“Sabendo que cada país europeu isoladamente não poderia levar adiante pesquisas de grande porte, esses cientistas empenharam-se na cooperação. E a iniciativa serviu de modelo para a posterior criação da União Europeia. Um esforço análogo é o que buscamos realizar agora na América Latina”, disse Fernando Quevedo à Agência FAPESP.

Nascido na Guatemala em 1956, Quevedo realizou o doutorado na University of Texas em Austin, sob a orientação de um cientista referencial da física de partículas, o Prêmio Nobel Steven Weinberg, um dos autores da teoria da unificação eletrofraca. Depois de trabalhar em instituições do porte do Cern e do Los Alamos National Laboratory, nos Estados Unidos, Quevedo juntou-se ao corpo docente do Departamento de Matemática Aplicada e Física Teórica da University of Cambridge, no Reino Unido. Em 2009, foi nomeado diretor do ICTP-Trieste.

Quevedo foi um dos grandes instigadores da articulação que resultou no Fórum Estratégico Latino-Americano para Infraestrutura na Pesquisa. “Nossa produção científica sempre foi liderada por Estados Unidos e Europa. Porém, ao longo dos anos, formou-se, na América Latina, uma comunidade científica bastante qualificada. Exceto o Brasil, nenhum país da região possui massa crítica de pesquisadores e recursos financeiros para, isoladamente, produzir uma ciência de padrão internacional. Mas, juntos, poderemos fazê-lo”, afirmou.

“Em 2016, celebramos aqui mesmo, no edifício do IFT-Unesp, o quinto aniversário do ICTP-SAIFR. E criamos uma comissão para discutir como ir adiante, o que fazer no futuro. Uma das propostas foi a de nos unirmos, como comunidade latino-americana, para que pudéssemos, nós mesmos, definir os projetos de pesquisa de interesse para os nossos países. Obviamente, estamos falando de iniciativas de médio e longo prazos. O exemplo típico é o do Túnel de Água Negra, entre o Chile e a Argentina, que poderá ser usado em pesquisas sobre neutrinos e matéria escura”, disse Quevedo.

A data-limite para que o grupo preparatório apresente os white papers foi fixada em 1º de dezembro de 2019. E a próxima reunião plenária do grupo preparatório deverá ocorrer no ICTP-SAIFR, em São Paulo, no dia 2 de março de 2020.

"Esse é o começo de um longo processo de planejamento estratégico, um exercício que pode levar a resultados interessantes, em nível nacional, relativos à colaboração entre diferentes países da região em projetos de interesse comum", disse à Agência FAPESP o físico Rogério Rosenfeld, professor do IFT-Unesp, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Física e integrante do grupo preparatório.