Notícia

No Tapajós

Amazônia: dados de desmatamento serão qualificados

Publicado em 16 setembro 2008

Pará - O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) vão atuar em conjunto para qualificar os dados de desmatamento.

Pela proposta, os dados, que são gerados pelo Inpe, desde a década de 1980, serão validados em campo pela Embrapa, que fará a qualificação das informações, identificando as atividades que condicionam a derrubada da floresta.

A partir do estudo das áreas já desmatadas em anos anteriores, será gerado um histórico do uso e ocupação da Amazônia, verificando, inclusive, a possível ocorrência de regeneração florestal.

Segundo a Embrapa Monitoramento por Satélite, a idéia do projeto é contextualizar os dados de desmatamento e tentar responder a diversas questões relacionadas ao tema.

Atualmente, com as divulgações do Inpe, já é possível saber quanto e onde há desmatamento. A colaboração entre as duas instituições permitirá apontar quais são as atividades responsáveis por esse desmatamento.

A primeira reunião de entendimento do projeto foi realizada em julho, em Brasília, com a presença do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Reinhold Stephanes, do diretor-geral do Inpe, Gilberto Câmara, e do diretor-presidente da Embrapa, Silvio Crestana, além de pesquisadores envolvidos com o tema. Mais dois encontros foram realizados posteriormente, na sede do Inpe, em São José dos Campos (SP), e no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

A iniciativa considera ainda planos de cooperação internacional, em especial com a África, a partir da geração de sistemas de monitoramento de florestas.

(Fonte: Agência FAPESP)

Operação Caieira combate a produção de carvão ilegal em áreas de  litígio agrário Fiscais do Ibama com o apoio da Polícia Militar do Pará do Batalhão de Paragominas iniciaram nova operação no estado. Desta vez, o foco é o combate à produção de carvão ilegal e fiscalização de áreas onde há irregularidade fundiária na região do rio Capim, no sudeste paraense.

Durante os cinco dias de operação, a equipe destruiu mais de 100 fornos de carvão e apreendeu dois caminhões: um transportava carvão sem guia florestal e outro, madeira em desacordo com a guia florestal, além de 12 motosserras que estavam sendo utilizadas em atividade ilegal de extração de madeira nativa, bem como seis espingardas e quatro moto-bombas nas áreas conflituosas de fazendas do município.

Essas áreas foram identificadas previamente, por satélite, sobrevôos de helicópteros e também por meio das solicitações da Justiça.

A operação Caieira visa combater a estratégia dos grandes carvoeiros que financiam pessoas para a construção de fornos de carvão em áreas de litígio agrário.

(Fonte: Ascom Ibama/Pará)