Notícia

Correio Braziliense

Alzheimer, o mal que imobiliza a ciência

Publicado em 10 fevereiro 2019

Por Paloma Oliveto
Já se passaram 113 anos desde que o alemão Alois Alzheimer enxergou, no microscópio, estranhas manchas que se formavam entre as células do cérebro de uma ex-paciente. Não demorou para que o médico juntasse as peças. A mulher, examinada por ele algum tempo antes, exibia sinais de agressividade, paranoia e perda progressiva de memória. O psiquiatra, então, levantou a hipótese de que alterações cerebrais estavam associadas a sintomas mentais. Desde então, foram publicadas centenas de milhares de artigos científicos sobre esse tipo [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.