Notícia

Correio da Paraíba online

Alunos da Paraíba admitem não ter limite de tempo na web

Publicado em 11 setembro 2009

Segundo informações divulgadas ontem pela SaferNet Brasil, em referência aos resultados parciais da pesquisa online sobre hábitos de segurança na internet, realizada com educadores e estudantes do Estado, os adolescentes paraibanos revelaram hábitos de risco no uso da internet. A maioria, 61% dos estudantes, garantiu que não tem limite de tempo para navegar na web, 42% dos alunos afirmaram que seus pais não sabem o que eles estão fazendo na internet, 62% deles compartilham fotos na rede e 55% acessam o computador do próprio quarto. Já os educadores paraibanos mostraram que estão sempre conectados.

Segundo a pesquisa, mais de 80% usam a internet todos os dias e 31% navegam por mais de cinco horas diariamente. Mais da metade (51%) sabe de amigos que já encontraram presencialmente pessoas que conheceram pela internet, sem adotar medidas de segurança. Cerca de 60% dos educadores apontaram que os alunos comentam em sala de aula, com bastante freqüência, sobre o que fazem on-line, e a grande maioria, 80%, afirma que é urgente o aprofundamento do debate sobre segurança on-line no contexto escolar. A pesquisa está sendo realizada pela SaferNet Brasil, em parceria com o Ministério Público Federal.

O levantamento continuará on-line, até o dia 30 de setembro de 2009, pelo site www.safernet.org.br/pb. Segundo Rodrigo Nejm, que é psicólogo e diretor de prevenção da SaferNet Brasil, "os resultados parciais da pesquisa acendem o alerta para a importância de promover ações de prevenção, educativas e de conscientização sobre a utilização segura da internet". A SaferNet já treinou mais de 2.500 pessoas e distribuiu material com mais de 250 escolas, para que os educadores possam ter material para replica em sala de aula. Denúncias podem ser anônimas.

Segundo o diretor presidente da SaferNet Brasil, Thiago Tavares, o cidadão pode cooperar no combate aos crimes contra os direitos humanos na internet. "No momento em que estiver visitando páginas na internet, ao encontrar indícios de algum crime de violação dos direitos humanos, como pornografia infantil, fotos e vídeos de crianças vítimas de abuso sexual, manifestações de ódio, discriminação, não feche a página. Copie e cole o link e faça uma denúncia anônima, através da Central Nacional de Denúncias de Crimes Cibernéticos, que é o www.denuncie.org.br", indica.

Ao agir dessa forma, afirma Thiago Tavares, o cidadão contribui para que o conteúdo ilegal seja retirado da rede e as provas daquele crime sejam preservadas pelos provedores e, posteriormente, que o autor do crime seja identificado, processado e punido pelo crime que cometeu. "Essa ação de investigação e repressão cabe ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal, com quem nós temos termos de cooperação e são instituições destinatárias dos relatórios de rastreamento das notícias crimes que produzimos a partir das denúncias anônimas que a população faz através desse endereço".

Um resultado concreto dessas denúncias, segundo Thiago Tavares, foi a Operação Turko, deflagrada pela Polícia Federal, em maio deste ano, que mobilizou 450 policiais para cumprir 92 mandados de busca e apreensão em 22 Estados e no Distrito Federal. Assinatura conjunta é inédita no Brasil No dia 15 de setembro de 2009 será assinado termo de cooperação técnica e científica entre a SaferNet e Ministério Público Federal, Ministério Público Estadual, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB), Secretarias de Educação Estadual e Municipal e Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Particular da Paraíba (Sinepe).

Segundo o diretor de prevenção da SaferNet, Rodrigo Nejm, a assinatura do termo de cooperação com vários órgãos na Paraíba é um fato inédito no Brasil. "É o que gostaríamos de ver replicado em outros Estados. A Paraíba está sendo um grande exemplo de como é possível somar esforços numa causa tão importante que exige tanto cuidado". Para o procurador-geral de Justiça, Oswaldo Trigueiro do Valle Filho, a assinatura deste termo de cooperação com a SaferNet é de grande importância, tendo em vista a necessidade de se implementar um rigoroso combate aos crimes praticados por meio da internet. E a parceria com essas instituições fortalece, cada vez mais o Ministério Público, para esse tipo de investigação. Já a secretária de Educação da capital Ariane Norma de Menezes Sá afirmou que é preciso que alunos e os próprios educadores saibam como se comportar diante do mundo tecnológico e discutam as suas possibilidades dentro do universo escolar. "A promoção de atividades éticas como essa certamente incitará o potencial que possui hoje a Internet como fonte importante para a educação. 

Demi Getschko dará palestra na Capital

Está confirmada a presença do diretor presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), Demi Getschko, no evento que será realizado pelo Ministério Público Federal, na próxima terça-feira, dia 15, na Estação Ciência. Demi Getschko, proferirá palestra sobre modelos de proteção à criança no âmbito do Comitê Gestor da Internet no Brasil.

Demi Getschko é considerado um dos "pais" da internet no Brasil. Engenheiro com graduação, mestrado e doutorado na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, esteve presente na Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) em janeiro de 1991, quando foi feita a primeira conexão do Brasil à internet. Atualmente preside o NIC.br, criado para implementar as decisões e os projetos do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br), que é o órgão responsável por coordenar e integrar as iniciativas de serviços da internet no país.