Notícia

Atuais News

Aluno de Medicina Veterinária da Uniara estuda biomaterial para ser utilizado na medicina regenerativa

Publicado em 12 outubro 2018

O estudante do segundo ano do curso de Medicina Veterinária da Universidade de Araraquara – Uniara, Luiz Guilherme Dércore Benevenuto, está desenvolvendo a pesquisa “Membranas de celulose bacteriana modificadas superficialmente com plasma para aplicação na engenharia tecidual”, sob orientação do professor Luís Henrique Montrezor e coorientação do professor Hernane Barud. O projeto contemplado com uma bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP.

“O trabalho envolve a utilização de um biomaterial chamado celulose bacteriana, que pode ser usado pela engenharia de tecidos para substituir ou reparar um tecido biológico que foi perdido. Assim, o objetivo maior é desenvolver um biopolímero com maior capacidade de adesão, proliferação e viabilidade celular, que poderá ser usado e aplicado na medicina regenerativa”, explica o aluno.

Ele comenta que, com o aumento da expectativa de vida, “nunca se fez tão necessária a busca por biomateriais biocompatíveis que interajam com o tecido ósseo para combater problemas como a osteoporose, por exemplo, que provocam a perda da qualidade de vida”.

A celulose utilizada no projeto, de acordo com Benevenuto, é produzida por uma bactéria chamada Acetobacter xylinum, “que apresenta ótimas propriedades físicas e químicas, como resistência mecânica, além de funcionar como uma barreira contra infecções, entre outras”. “Ela vem sendo empregada principalmente pela indústria biomédica como substituta temporária de pele, pela de cosméticos para a produção de hidratantes e adstringentes, e até mesmo pela indústria alimentícia, na produção de sorvetes com baixas calorias. Todavia, sua aplicação na engenharia tecidual depende da celularização do biomaterial, ou seja, é como se fosse a capacidade de a célula colonizar, aderir e proliferar nesse biomaterial”, esclarece.

O aluno aponta que a finalidade do estudo “é justamente melhorar a superfície da celulose bacteriana por meio de um tratamento, realizado em colaboração com a professora do Departamento de Química da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar, Sandra Andrea Cruz”. “Buscamos, por meio desse tratamento, impulsionar as respostas ligadas à atividade biológica da celulose bacteriana”, detalha.

Embora o projeto ainda esteja em fase de experimento, os resultados parciais apresentados até o momento, segundo Benevenuto, “foram bons, satisfatórios, principalmente o ligado à adesão dessa célula”.

Montrezor, que orienta a pesquisa, ressalta que “é ciência básica e, por isso, ainda tentaremos entender alguns mecanismos para analisar futuras situações de aplicabilidade disso”. “Mas no contexto geral, vamos começar a encontrar alguns biomateriais com os quais consigamos fazer cultura de células, usando-os como suporte. Em relação ao estudo do Luiz, vamos trabalhar com membrana de celulose bacteriana modificada com plasma de oxigênio, em parceria com a professora Sandra, fazer cultura de células especificamente de uma linhagem que chamamos ‘ósteo 1’, e analisar seu comportamento diante desse biomaterial. É o objetivo principal do projeto”, finaliza.

Informações sobre o curso de Medicina Veterinária da Uniara podem ser obtidas no endereço www.uniara.com.br/veterinaria ou pelo telefone 0800 55 65 88.