Notícia

DCI online

Alckmin prega apoio à inovação tecnológica

Publicado em 06 agosto 2010

SÃO PAULO - O candidato do PSDB ao governo paulista, Geraldo Alckmin, visitou ontem a sede da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer), localizada em São José dos Campos, no interior de São Paulo. Ele foi recebido pelo presidente da empresa, Frederico Curado, com quem se reuniu antes de visitar os hangares. Alckmin disse que o objetivo de sua visita foi destacar a importância dos parques tecnológicos no estado.

"O nosso desafio não é vender ou exportar produtos primários, mas de alta tecnologia, agregando valor, empregando mais e com salários mais altos. A Embraer é um orgulho do Brasil, e nós vamos fortalecer muito as engenharias e trabalhar pelo adensamento das empresas do ramo aeronáutico", afirmou. O candidato tucano disse ainda que vai "estimular muito a pesquisa e o desenvolvimento" e que, além da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), pretende estudar a criação de uma agência estadual para apoiar as inovações tecnológicas.

Mais tarde, Alckmin participou de uma caminhada pelo Mercado Municipal da capital, ladeado pelo candidato do PSDB à Presidência, José Serra, e pelo ex-governador Orestes Quércia, que pleiteia uma vaga ao Senado na chapa Unidos por São Paulo. Antes disso, na mesma toada, Alckmin participou de um almoço na Câmara Portuguesa de Comércio do Brasil onde manifestou ser contrário à guerra fiscal.

Para ele, o recurso não beneficia o consumidor final, uma vez que em nada interfere nas alíquotas de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pagas pelo consumidor no ato da compra.

O candidato petista, Aloizio Mercadante, tem defendido que o estado entre na guerra fiscal para trazer de volta empresas que migraram para outras unidades da Federação. Já Alckmin disparou que o recurso da guerra fiscal só beneficia multinacionais.

O tucano renovou seu compromisso de avaliar todas as cadeias produtivas e trabalhar para que todas elas contem com redução de alíquotas do ICMS no preço final dos produtos. Disse que ainda estudará alternativas para agilizar a devolução dos créditos do imposto devidos às empresas.

Também afirmou que é preciso trabalhar pela reforma tributária em âmbito federal e defendeu a desoneração de investimentos.

Sobre precatórios, Alckmin registrou que o não alimentar, o estado de São Paulo já pagou nove décimos, dos quais seis foram pagos em sua gestão e outros três custeados na administração de José Serra.

Serra

Serra justificou a visita ao Mercado lembrando que o local traz lembranças de sua origem humilde. No corpo a corpo com populares, disse que, se eleito, fará um esforço para que cada brasileiro tenha as mesmas oportunidades que ele teve, como "uma escola pública de qualidade", por exemplo.

Perguntado sobre a pesquisa CNT/Sensus, que dá à petista Dilma Rousseff 41,6% contra 31,6% do tucano, Serra esquivou-se de fazer qualquer comentário. Sobre a temporada de debates eleitorais, Serra mostrou-se tranquilo e afirmou que "é um evento normal, uma entrevista como essa é importante, tudo o que a gente faz numa campanha é muito importante. Não há nada decisivo. A gente acaba sendo lá [no debate] o que a gente é. Não adianta querer forçar muito as coisas."