Notícia

Jornal do Commercio Brasil (SP)

Alckmim anuncia nomes de mais três secretários

Publicado em 03 dezembro 2010

Por Fernando Gallo E Daniela Lima

Da Agência Folhapress

O governador eleito de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta quinta-feira os nomes de mais três titulares do secretariado de seu futuro governo.

Saulo de Castro Abreu Filho assumirá a pasta de Transportes. Saulo é promotor de Justiça e ficou marcado por sua passagem pela secretaria de Segurança Pública, que chefiou de 2003 a 2006. A época, Alckmin era governador.

Outro antigo secretário do tucano que volta ao governo é Jurandir Fernandes, que conduzirá mais uma vez a pasta de Transportes Metropolitanos. Integrante da equipe de transição, Jurandir tem perfil mais técnico.

O vice-governador eleito, Guilherme Afif (DEM), ocupará a pasta do Desenvolvimento. É a primeira escolha da cota dos partidos. Até então, todos os nomes anunciados para o secretariado eram da cota pessoal de Alckmin.

Já foram designados o deputado estadual Sidney Beraldo (PSDB) para a Casa Civil; o diretor do Instituto do Câncer, Giovanni Cerri, para a Saúde; o corregedor da Polícia Militar, coronel Admir Gervásio Moreira, para a Casa Militar; e a atual secretária de Direitos da Pessoa com Deficiência, Linamara Battistella, que contínua no cargo.

Alckmin anunciou também a criação da esperada secretaria de Gestão Metropolitana, que será uma pasta de planejamento das regiões metropolitanas de São Paulo, Campinas e da Baixada San-tista. Cogitada anteriormente como uma possível superse-cretaria, a pasta não terá poderes executivos.

Ficará sob seu guarda-chuva a Emplasa (Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano), que será fortalecida. A nova secretaria cuidará também de agências, conselhos e fundos regionais metropolitanos.

EXTINÇÃO. O governador eleito informou a extinção da secretaria do Ensino Superior e a transferência das atribuições dela para a pasta do Desenvolvimento. Com isso, Afif será responsável pelas três universidades estaduais - USP, Unesp e Unicamp - e também pela Fundação de Amparo à Pesquisa (Fapesp).

Alckmin afirmou que o futuro governo estudará uma remodelagem da Dersa (Desenvolvimento Rodoviário S/A), empresa estatal que deu dores de cabeça ao governo tucano por causa das acusações de corrupção que envolveram ex-diretor de engenharia do órgão Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto.

"(Antes) era o modelo de uma empresa executora de rodovias. As rodovias que executava estão todas concessionadas. Vai ter que se reestudar esse modelo", disse o futuro governador, que não deu detalhes.

Saulo de Castro, no entanto, informou que a ideia é fazer da Dersa uma agência. "Ela pode ser reformulada como uma agência reguladora. Isso é fácil fazer. Não é difícil de repensar", afirmou.