Notícia

Diário do Rio Claro online

Águas urbanas serão objeto de parceria entre Unesp RC e Austrália

Publicado em 31 março 2017

Um projeto elaborado pela Unesp em parceria com a Queensland University of Technology, da Austrália, foi aprovado em chamada do programa SPRINT, da Fapesp. O foco da proposta é desenvolver uma agenda de pesquisas em torno do tema águas urbanas visando o desenvolvimento sustentável das cidades.

O projeto foi um dos vencedores da chamada publicada pela Fapesp no final de 2016 dentro do programa SPRINT, que prevê o financiamento da fase inicial de colaborações internacionais em pesquisa. A idéia é que o financiamento colabora na consolidação da parceria e na submissão de outros projetos mais sólidos. Boa parte dos recursos, inclusive, focam na mobilidade desses pesquisadores.

O professor Daniel Bonotto, do Instituto de Geociências e Ciências Exatas de Rio Claro é o coordenador da Unesp. Já o professor Ashantha Goonetilleke é o coordenador do projeto pelo lado australiano. “Ele lidera um grupo forte que trabalha basicamente com águas urbanas. Eles têm algumas soluções interessantes no armazenamento e reuso de águas fluviais, algo que no Brasil ainda é muito incipiente”, aponta Bonotto, que no início de 2016 teve outro projeto aprovado no SPRINT, dessa vez com a Queen’s University, da Irlanda do Norte.

O docente lembra ainda que a Austrália é um país que convive com ciclos graves de seca e essa foi uma das razões que levou o país a desenvolver uma expertise na gestão dos recursos hídricos e no reuso da água.

O primeiro contato entre os dois pesquisadores aconteceu durante uma missão promovida pela Unesp para diversas universidades australianas, entre elas a Queensland University of Technology. As visitas viabilizaram, no fim de 2015, um workshop sobre Ciências da Terra e Meio Ambiente em que estiveram presentes diversos pesquisadores australianos, entre eles o professor Ashantha Goonetilleke. “Esse apoio institucional da Unesp por meio da Arex foi importantes para a gente conseguir viabilizar os encontros e estabelecer parcerias para o projeto”, aponta.

Os dois pesquisadores mantiveram contato e quando a chamada SPRINT foi publicada submeteram o projeto. “A chamada visa fomentar parcerias, mobilidade e principalmente identificar áreas comuns de pesquisa. A nossa proposta está bastante aberta. No início queremos fazer as missões e visitas para em seguida termos claro onde estão as oportunidades de financiamento e as áreas comuns de pesquisa”, explica Bonotto.

Entre as áreas que as duas universidades pretendem investigar estão 1) poluição de águas pluviais urbanas e desenvolvimento de estratégias para mitigar a poluição; 2) utilização de sistemas passivos para águas pluviais e tratamento de águas residuais; 3) águas pluviais e tratamento de águas residuais e reutilização; 4) recarga controlada de aqüíferos (MAR) de águas pluviais e residuais para complementar o abastecimento de água urbana; 5) criação de um quadro para a avaliação do ciclo urbano da água, integrando as características de água portátil, sistemas de águas pluviais e águas residuais.

(fonte – Marcos Jorge)