Notícia

Imprensa

Águas de Março

Publicado em 01 abril 2011

Água é tema para uma enorme variedade de matérias. É pauta para saúde quando associada ao surgimento de doenças. É assunto ligado a políticas públicas quando tem relação com saneamento. É matéria de internacional quando é motivo de conflitos diplomáticos, É tema de economia quando se discute o equilíbrio entre indústria e consumo sustentável. A pauta água já não pode ser tratada isoladamente, mas contextualizada entre diversas editorias. No caso do Brasil, o tema é essencial, já que, segundo o relatório da Agência Nacional da Água (ANA), metade das cidades brasileiras terá problemas de abastecimento até 2025, fora o longo caminho a percorrer nas questões de saneamento básico.

Para chamar a atenção de jornalistas e contribuir na discussão de uma agenda positiva, o Portal e a revista IMPRENSA realizaram o 6o Fórum Água em Pauta, por ocasião do Dia Mundial da Água, celebrado no dia 22 de março. O evento ocorreu nos dias 21 e 22 de março, na cidade de Jundiaí (SP), e contou com o apoio do Departamento de Água e Esgoto (DAE), da Cia, de Saneamento de Jundiaí (CSJ) e da Opersan. Foram debatidos vários temas ligados à água de forma transversal, como saneamento básico, mananciais, políticas públicas e o papel do jornalismo na conscientização.

Sinval de Itacarambi Leão, diretor da IMPRENSA Editorial, abriu o fórum apontando a importância do tema para o jornalismo: "A água é e deve ser pauta de editorias tão diversas como as de cidades, política, economia, cultura e esportes", afirmou. Para a advogada e pesquisadora da Universidade de São Paulo (USP), Carolina Mota, a discussão sobre recursos hídricos tem como premissa alertar a população na hora de cobrar os serviços que estão sendo prestados pelo poder público. "A imprensa deve levar em consideração os aspectos jurídicos do saneamento, pois eles permeiam a relação com os órgãos públicos sociais", diz ela. Carolina ressalta que o tema vai muito além da preservação, envolvendo também legislação.

Luiz Pannuti Carra, diretor de operações da CSJ, assinala que "os jornalistas contribuem para a disseminação do tema na sociedade e com isso ajudam a mostrar o que tem sido feito de importante". Pannuti é um dos responsáveis pelo tratamento do esgoto do município. Em maio de 2010, o Instituto Trata Brasil divulgou o resultado de um levantamento que mapeava as condições de saneamento básico nos maiores municípios brasileiros. O estudo elegeu Jundiaí com as melhores condições de coleta de esgoto. Milena Serro, coordenadora de comunicação do Trata Brasil, destaca que a crítica é importante para que ações positivas possam ser divulgadas. "A melhor forma de disseminar uma informação é por meio dos jornalistas. Para isso, desenvolvemos projetos e acompanhamos o que vem acontecendo nas comunidades", diz.

AGENDA POSITIVA

Apesar de muitos representantes da área ambiental chamarem a atenção sobre a importância de tratar a água dentro de uma agenda positiva e não só em momentos pontuais, o tema continua associado à tragédias. "Infelizmente a imprensa não se aprofunda no tema e só fala dele pegando carona na ocorrência de desastres", critica Reinaldo Canto, colaborador da Envolverde e colunista da Carto Capital. O jornalista lembra que falta a inclusão da discussão de forma sistemática no dia a dia das redações. Milena alerta que a pauta sobre saneamento esbarra no desconhecimento das pessoas: "Em pesquisa de 2008, identificamos que 31% da população desconheciam o que é saneamento, e somente 3% relacionam o tema à saúde". A jornalista pretende lançar, ainda em 2011, um manual para esclarecer o tema.

Já Marússia Whately, urbanista e coordenadora do projeto De Olho nos Mananciais, do Instituto Sócio Ambiental (ISA), acredita que aproximar os profissionais de comunicação das fontes é importante, pois o tema é complexo e vital. "A disponibilidade de água em quantidade e qualidade para populações urbanas é um dos maiores desafios do século 21. O tema tem que avançar, mas eu percebo que não há uma continuidade nos assuntos na imprensa". Ela conta que sustentabilidade ficou associada somente à ecologia, mas vai muito além, estã ligada à gestão industrial, a políticas públicas. "É muito importante ter clareza na comunicação, entre a própria academia as terminologias não são consensuais, imagine para o público", alerta.

O fórum também contou com a participação especial do cientista da Universidade do Novo México (EUA), Christopher Eppig, responsável por artigo publicado na revista Proceedings of The Royai Society. O especialista apresentou o estudo em que mapeia a influência da qualidade da água no QI das crianças de países pobres. "Na média, a cobertura sobre o tema fica bem superficial. No caso desse estudo, por exemplo, eu quase não vi matérias que pudessem trazer algum tipo de discussão a respeito. Como falo constantemente com jornalistas, estou acostumado a fazer dessa conversa a melhor maneira de passar informações ao público", diz Eppig.

DEMANDAS REGIONAIS

Veja o que disseram à revista IMPRENSA alguns dos jornalistas de diferentes cidades do Estado de São Paulo que compareceram ao fórum para cobrir o evento:

"O Fórum abre nossa mente. Pois o tema água afeta a população como um todo. E, em nossa cidade, as pautas sobre o assunto são diversas" | Félix Henrique Naveda, Correio Mariliense de Marília

"Acho positiva a iniciativa de discutir o tema com jornalistas, pois temos grande responsabilidade em informar a população" I Giovani Carmelo Hamada, Correio de Itapetininga

"O próprio nome do fórum mostra que o tema é importante nas redações. Em minha cidade isso é muito forte, pois fazemos parte dos municípios que abrigam o Aquífero Guarani" \ Beto Caloni, O Imparcial de Araraquara

"O evento nos ajuda fornecendo subsídios e informações valiosas, além de ajudar na lição de casa" | Adilson Ribeiro de Camargo, Jornal da Cidade de Bauru

"É muito bom conhecer diferentes práticas e formas de saneamento. A experiência que estou tendo me ajuda a discutir melhor na hora de tratar os problemas da minha cidade" \ Solange Strozzi, Jornal de Piracicaba

"Todo o evento organizado para a imprensa é bem-vindo. Ele serve para conhecer outros jornalistas e novas fontes" | Márcia Regina Adão, Jornal Opinião de Monte Mor

"Guarulhos vive um sério problema de tratamento de esgoto. Estar aqui e compartilhar essas informações me ajuda a tratar do assunto no cotidiano" \ Silas Macedo, Diário de Guarulhos

"A iniciativa movimenta as redações que topam participar e coloca jornalistas de diversas regiões para compartilharem experiências" | Danilo Dainesi, Diário da Região de Osasco

OS CONDUTORES

O 6º Fórum Água em Pauta contou com 15 convidados, entre painelistas de diversas áreas e moderadores, autoridades em utilização dos recursos hídricos e sobre a presença do tema na imprensa. São eles:

ALEXANDER CHARLES SIMON FORTIN

Líder da linha de negócios de Águas da AECOM Brasil, é biólogo especialista em projetos internacionais de reuso de águas, tratamento de águas e esgoto e outros.

CAROLINA MOTA

Procuradora da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo - FAPESP, é coordenadora e co-autora do livro "Saneamento Básico no Brasil - aspectos jurídicos da Lei Federal n. 11.445/07.

CHRISTOPHER EPPIG

Cientista, biólogo e concluinte do curso de pós-doutorado, pela Universidade do Novo México, Albuquerque (EUA).

DAN ROBSON PEREIRA DIAS

Diretor da By Dan. Responsável pela expedição do projeto Flutuador do Rio Tietê.

EDUARDO CERIONI

Editor chefe do jornal Bom Dia.

JADERSON SPINA

Secretário de Planejamento e Meio Ambiente da Prefeitura Municipal de Jundiaí.

JAYME MARTINS

Diretor da OverChina Consultoria e Diretor de Comunicação da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China.

PROF. JOSE LUIZ PROENÇA

AUN - Agência Universitária de Notícias (ECA/USP).

JÚNIOR RUIZ GARCIA

Pesquisador do Instituto de Economia da Universidade Estadual de Campinas, dedica-se ao tema Precificação (Valoração) e Cobrança pelo Uso da Água como Fonte de Financiamento para Gestão de Bacias Hidrográficas no Brasil.

MARUSSIA WHATELY

Arquiteta e urbanista, é especialista em gestão de bacias Hidrográficas e coordenou o Programa Mananciais do Instituto Socioambiental.

MILENA VENÂNCIO SERRO

Coordenadora de Comunicação do Instituto Trata Brasil, falou sobre os impactos da coleta e tratamento de água na qualidade de vida da população.

REINALDO CANTO

Colaborador da Envolverde e colunista de Carta Capital, além de atuar como consultor, palestrante e articulista.

SIDNEY MAZZONI

Editor-chefe do Jornal de Jundiaí.

TÂNIA REGINA GASPARINI BOTELHO PUPO

Secretária Municipal de Saúde de Jundiaí. Doutora em Práticas de Saúde Pública pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (2005).

Liquidez Chinesa

O jornalista Jayme Martins, trabalhou na China Radio International e foi correspondente do Estadão no país por mais de 20 anos. Martins encerrou o evento com a palestra "Planeta China: Terra, Água e Alimentação", sobre o desafio do país em conseguir água para a população até 2025.

IMPRENSA - QUAL A IMPORTÂNCIA DA CHINA NESTE DEBATE? Jayme Martins - Foi muito importante a China ter sido lembrada tendo em vista a importância que esse país asiático está adquirindo no cenário internacional e as necessidades de sua população em relação à água.

COMO OBSERVA A POSIÇÃO DO TEMA NA MÍDIA? Deve haver um aprendizado de linguagem apropriada para tratar do assunto. Não somente para a impressa, mas também para a nossa mídia eletrônica: televisão, rádio e internet. Dialogar com os jornalistas dá contribuições notáveis para melhorar este cenário.

A secretária municipal de saúde de Jundiaí, Tânia Regina Pupo, complementa as informações de Eppig e aponta que no Brasil a mortalidade infantil também tem relação com o saneamento. O país teve queda significativa nos últimos anos em função da melhoria em saneamento básico. "À medida que conseguimos reduzir a mortalidade infantil, esse componente ganha destaque na imprensa e gera o questionamento da população", afirma. Já para Nurian Tarcila Feliciano, diretora técnica da Opersan, os jornalistas têm dificuldade em entender termos técnicos e institucionais. "Muitas vezes sentimos que o jornalista sente dificuldade até mesmo no tipo de pergunta que ele deve fazer. Isso acaba resultando em termos e informações equivocadas. Mas nós, como especialistas, devemos contribuir para uma aproximação", ressalta.

FONTES QUALIFICADAS

Na 6ª edição do Fórum Água em Pauta, representantes políticos e responsáveis pelo saneamento de Jundiaí demonstraram a importância de sediar o evento. Miguel Haddad, prefeito da cidade, destacou a oportunidade. "É muito bom receber o fórum pela segunda vez [a primeira foi em 2003, na 2a edição], pois ele consegue ressaltar para os jornalistas a importância de noticiar uma agenda relevante sobre o tema". Para Wilson Roberto Engholm, diretor presidente do DAE S.A., o fórum é uma forma de mostrar o exemplo bem-sucedido da cidade. "É importante apresentar aos jornalistas o resultado do que tem sido feito de bom", conta.

Jaderson Spina, secretário de planejamento e meio ambiente de Jundiaí, destaca que falar com repórteres é especial no sentido de "mostrar a preocupação da cidade em informar a sociedade sobre os desafios. Até porque estamos em uma região estratégica em disponibilidade de água no estado". Fernando Carvalho Oliveira, engenheiro da Opersan, vê como essencial a oportunidade de falar com os profissionais do jornalismo. "Na verdade isso é uma divulgação de extrema importância já que o tema tem ganhado visibilidade em todo o mundo". Visibilidade que será discutida em março de 2012, no 6o Fórum Mundial da Água, em Marselha, na França.