Notícia

Portal Fator Brasil

Agricultura Tropical é tema de seminário Internacional da FAPESP e Fundação Bunge

Publicado em 16 setembro 2009

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP, e a Fundação Bunge realizam no próximo dia 15, das 9h30 às 13h30, o seminário internacional "Os Desafios da Agricultura Tropical", com a participação de dois ganhadores do prêmio Fundação Bunge 2009 na área de ciências agrárias. Ligados à Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, da Universidade de São Paulo (Esalq-USP), João Lucio de Azevedo é pesquisador em genética de microrganismos relacionad os à agricultura, e Carlos Eduardo Pellegrino Cerri desenvolve pesquisas nas áreas de mudanças climáticas globais e bioenergia.

Os outros convidados são o cientistas Rodolfo Augusto Sánchez, engenheiro agrônomo da Universidade de Buenos Aires, e Adalberto Luis Val, pesquisador na área de Ecologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), e Eliseu Roberto de Andrade Alves, engenheiro agrônomo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). "O seminário internacional é uma iniciativa implantada este ano no âmbito do Prêmio Fundação Bunge para analisar os avanços nas pesquisas e na tecnologia aplicadas à agricultura tropical. Esse intercâmbio de conhecimento é importante, porque pode beneficiar vários países em desenvolvimento situados na região dos trópicos", desta ca o presidente da Fundação Bunge, Jacques Marcovitch.

A apresentação do pesquisador João Lúcio de Azevedo vai tratar das influências de microrganismos na agricultura. "Especialmente fungos e bactérias podem causar grandes danos às culturas agrícolas, com estimativas de até 30% de perdas nos trópicos, mas há efeitos positivos, como a fixação biológica do nitrogênio atmosférico por bactérias em leguminosas, que substitui a aplicação de adubos nitrogenados", exemplifica.

Carlos Eduardo Pellegrino Cerri fará palestra sobre redução da emissão de gases de efeito estufa na agricultura tropical e o uso de práticas mais conservacionistas de manejo agrícola, como o plantio direto e fertilização mais racional. Cerri afirma que o seminário é uma importante oportunidade de discutir a agricultura não apenas como atividade responsável pela produção de alimentos, mas também pela energia e por questões ambientais relacionadas aos biocombustíveis.

Palestrantes

João Lucio de Azevedo, 72 anos, recebeu o Prêmio Fundação Bunge na categoria Vida e Obra, que reconhece profissionais com carreiras consolidadas e suas contribuições para a sociedade. Coordenador de microbiologia do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA) e membro da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), Azevedo participou Programa Genoma-FAPESP, no projeto que concluiu o primeiro sequenciamento completo de um organismo que ataca os citros - a bactéria Xylella fastidiosa. Desenvolveu um processo para isolamento e purificação do fungo Guignardia citricarpa e um kit de diagnóstico para detecçã o de fungos em citros. É engenheiro agrônomo doutorado em genética pela universidade britânica de Sheffield e pós-doutorado nas Universidades de Manchester e Nottingham, também na Inglaterra.

Nascido em 1974, Carlos Eduardo Pellegrino Cerri foi premiado na categoria Juventude. É professor do Departamento de Ciência do Solo da Esalq e foi bolsista da FAPESP de Iniciação Científica, Mestrado e Doutorado. Recebe atualmente apoio da Fundação no âmbito do Programa Jovens Pesquisadores em Centros Emergentes para desenvolver dois projetos. O primeiro busca apoiar políticas públicas relacionadas às transformações de ecossistemas naturais. O segundo projeto procura assegurar a sustentabilidade da produção de etan ol de cana-de-açúcar por meio da análise da emissão de gases de efeito estufa (GEE) no cultivo da planta.

O prêmio

O Prêmio Fundação Bunge, antigo Premio Moinho Santista, foi criado há 54 anos para incentivar a inovação em várias áreas do conhecimento. A premiação da edição de 2009 ocorrerá no dia 16 de setembro, na Sala São Paulo, na capital paulista. Os contemplados da categoria Vida e Obra receberão R$ 100 mil cada um, além de diplomas e medalhas. Na categoria Juventude cada um dos escolhidos receberá R$ 40 mil, além de diplomas e medalhas.

FAPESP - Criada em 1962, a FAPESP é uma das principais agências de financiamento à pesquisa científica e tecnológica no Brasil. Atua em todas as áreas da ciência e tecnologia, financiando bolsas, auxílios a pesquisa e outras atividades de apoio à investigação e ao intercâmbio científico com grande impacto no desenvolvimento econômico, social e cultural do Estado de São Paulo.

O apoio se dá por meio de Programas Regulares, para o desenvolvimento de projetos de pesquisa e a formação de pesquisadores; Programas Especiais, que induzem a expansão de novas áreas de investigação; e Programas de Pesquisa para Inovação Tecnológica, voltados para o avanço do conhecimento e sua aplicação.

Por determinação constitucional, a FAPESP recebe mensalmente 1% das receitas tributárias do Estado.

A Fundação Bunge foi criada em 1955 com o objetivo de desenvolver ações de responsabilidade social do grupo Bunge no Brasil. Esse trabalho evoluiu ao longo do tempo para abranger também ações voltadas para a Sustentabilidade. A Fundação Bunge acredita que compartilhar conhecimento, disseminar a inovação e formar pessoas conscientes de que são as responsáveis pelas transformações que desejam é a forma de garantir no presente a construção de uma sociedade sustentável no futuro.

As iniciativas da Fundação Bunge dividem-se em três pilares de atuação: Incentivo à Excelência e ao Conhecimento Sustentável (Prêmio Professores do Brasil, Prêmio Fundação Bunge e apoio a estudos e pesquisas voltados para a Sustentabilidade); Socioambiental (Comunidade Educativa, um programa de escola sustentável e Comunidade Criativa, um programa de formação de jovens para o desenvolvimento local sustentável) e Preservação da Memória (Centro de Memória Bunge).