Notícia

Cruzeiro do Sul online

Agência Inova Sorocaba quer contribuir para incentivara inovação em empresas

Publicado em 01 outubro 2013

A Agência de Desenvolvimento e Inovação de Sorocaba (Inova Sorocaba), organização privada sem fins lucrativos, criada em 2007, começou a funcionar na cidade em agosto. O foco será nas áreas de inovação, pesquisa e empreendedorismo. De acordo com presidente da Inova Sorocaba, Agliberto Chagas, a agência firmou parceria com a Prefeitura e tem um escritório e sala de atendimento no Parque Tecnológico de Sorocaba. A equipe é formada por nove pessoas. Ele esteve na última quinta-feira no jornal Cruzeiro do Sul.

A agência irá promover a aproximação de centros de pesquisa de universidades e empresas, em redes de cooperação, no sentido de melhorar produtos e serviços. Para Chagas, como polo industrial, Sorocaba tem muitas empresas com capacidade de inovação, em diversas áreas. Com a agência, o objetivo é proporcionar que pesquisas, às vezes restritas, cheguem a maioria das empresas e possam contribuir para avanços tecnológicos. É a maneira de colocar o País em pé de competitividade com mercado internacional, que investe grandes quantias em tecnologia e modernização.

O presidente da Inova Sorocaba ressalta que a atuação não se restringirá a Sorocaba, mas também à região e ao Estado. A parceria firmada com a empresa municipal Parque Tecnológico de Sorocaba é no valor de R$ 1,2 milhão, pelo prazo de cinco meses. A agência fará a gestão de ciência e tecnologia do parque. A participação das empresas será como associadas, com pagamento de mensalidade. O propósito é atrair cerca de 20 empresas nos primeiros meses. O vice-presidente da regional do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), Erly Domingues de Syllos, preside o conselho de administração da agência, formado por 17 representantes de empresas, universidades e do setor público.

Segundo Chagas, cerca de 30 empresas respondem por 70% do Produto Interno Bruto (PIB) industrial de Sorocaba. "É um número grande, que mostra que estão inseridas em estratégias globais." Ele destaca a indústria de equipamentos de geração de energia eólica, não poluente, e com boas perspectivas de crescimento. Em Sorocaba, são duas nesse setor: Tecsis e Wobben. Ele também cita a indústria de eletrônicos, máquinas e equipamentos. Num exemplo prático, o presidente da agência falou sobre o desenvolvimento do uso de novos materiais. "As pás eólicas são construídas com material composto, principalmente, a fibra de carbono. Pesquisas analisam o uso de novos materiais, para diversas finalidades", observa Chagas.

Entre os serviços da agência, está a aproximação com órgãos de apoio a pesquisas, como a Agência Brasileira da Inovação (Finep) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), além de orientação sobre linhas de crédito para o setor, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Uma das ideias a ser colocada em prática no final de novembro será o Poupatempo da Inovação, com mutirão de registro de patentes. Estão previstas também palestras técnicas sobre áreas específicas de pesquisa, de interesse para empresas de Sorocaba e região, no Parque Tecnológico.

Segundo o presidente da agência, a economia de inovação é algo fundamental para as empresas. As de grande e médio porte já investem nisso, inclusive contam com equipes de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos. A inovação também atende as necessidades do consumidor, que se torna mais exigente. No caso de um carro, por exemplo, é importante que tenha a chamada "tecnologia embarcada". Airbag e freios ABS foram inovações que serão obrigatórias em veículos novos no ano que vem.

Para Chagas, a política econômica tem dado mais importância à pesquisa e inovação das empresas. "Quem não inovar vai ficar para trás." Segundo o presidente da Inova Sorocaba, um novo produto farmacêutico demora cerca de 12 anos para ser colocado à venda; um carro, entre três e quatro anos. A agência deve trabalhar também no sentido de disseminar às empresas pesquisas feitas no Parque Tecnológico de Sorocaba. A PUC de São Paulo foi a primeira universidade a montar laboratório e a segunda deve ser a Ufscar, no dia 9 de outubro. Também montaram laboratórios as empresas Bardella, Metso, Green Works, Jaraguá, FIT e Scania, mais o Instituto de Qualidade Automotiva (IQA) e o Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (Cesar).

O vice-presidente do Ciesp e presidente do conselho de administração da agência, Erly Syllos, lembra que no Brasil há um distanciamento entre os centros de pesquisa das universidades e as empresas, por isso é preciso correr atrás do tempo perdido. A agência funcionará principalmente nesse sentido, de criar uma rede para incentivo de investimentos em tecnologia e troca dos conhecimentos gerados. A Inova Sorocaba prepara o lançamento do site, que deverá ocorrer no fim da semana que vem. O endereço será www.inovasorocaba.org.br .