Notícia

Correio Popular (Campinas, SP)

Aerogerador é ideal para propriedades rurais

Publicado em 08 fevereiro 2004

Energia eólica é a capacidade que o vento tem de realizar algum trabalho. "As caravelas que chegaram ao Brasil, no descobrimento, eram movidas a energia do vento", exemplifica Cruz. O gerador eólico é o dispositivo capaz de transformar essa energia do vento em energia elétrica. De acordo com o professor da Faculdade de Engenharia Agrícola da Unicamp, Luís Augusto Barbosa Cortez, cerca de 40% da energia elétrica do Brasil tem origem hidráulica. Outros 40%, petrolífera. E o restante diz respeito à produção de energia a partir de álcool e bagaço da cana, lenha e carvão vegetal. O engenheiro Cassiano Cruz, da Eletrovento, afirma que o uso de energia eólica é quase nulo, não chegando a 0,1 % da cobertura total do Paí. Um dos principais motivos custo, que torna esse tipo de energia menos competitiva: enquanto 1 MWh de energia eólica custa US$ 80 o mesmo MWh de energia gerada por uma usina hidrelétrica custa US$ 20, afirma Cruz. "Já na Europa, a energia eólica tem se tornado uma alternativa viável, pois está custando praticamente o mesmo que a energia usada lá normalmente, produzida nas termelétricas", afirma Cruz. Mas a intenção dos sócios da Eletrovento não é desenvolver aparelhos para substituir os milhares de quilômetros de cabos que levam energia elétrica das usinas aos lares brasileiros. "O modelo que está aí tem dado certo e o aerogerador não é uma solução ideal para o meio urbano. O que queremos é oferecer uma alternativa para comunidades distantes, isoladas, que ainda hoje não possuem energia", comenta Cruz. De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 2,5 milhões de domicílios brasileiros não possuem energia elétrica. Contando quatro pessoas por residência, em média, são cerca de 10 milhões de pessoas sem luz. "Para as concessionárias levarem a estrutura necessária até esses lugares e estenderem sua rede sai muito caro. Como o atual governo aprovou uma resolução para universalizar o uso de energia elétrica e levar luz a todos, os aerogeradores podem ser instrumentos para atingir essa meta", completa. O Nordeste é um caso típico de potencial para energia eólica. Além de ventar muito na costa nordestina, há muitas comunidades de baixa renda que precisam de energia elétrica. "Como são afastadas dos grandes centros, custa caro levar luz até essas pessoas. No Estado de São Paulo isso ocorre muito pouco, como em algumas comunidades como o Vale do Ribeira", observa Cruz. "São lugares em que os geradores podem resolver esse problema." Além disso, os aerogeradores podem ser usados em sítios ou casas de veraneio e em grandes propriedades. Já entraram em contato com a empresa, por exemplo, produtores rurais do Mato Grosso do Sul. "As fazendas lá têm grandes extensões e, muitas vezes, há energia elétrica só na casa-sede. Em vez de pagar para levar a rede até as casas de colonos e bombas d'água, a 30,40 quilômetros de distância, alguns proprietários estão procurando fabricantes de aerogeradores para resolver esse problema", conta Cruz. "Ainda estamos desenvolvendo aparelhos de baixa potência. Até o fim do ano, já teremos aerogeradores capazes de gerar energia para esses fins."