Notícia

Revista Casa e Jardim online

Acredite se quiser: esse beija-flor na verdade é uma mariposa!

Publicado em 18 agosto 2021

Além de serem confundidas com o beija-flor, essa espécie de mariposa também se alimenta do néctar de flores e bate rapidamente as asas

Você pode nunca tê-la visto, pois não é muito comum no Brasil, ou pode ter se deparado com uma e achado que era um beija-flor. Mas na verdade, o que parece ser uma ave, é uma mariposa.

De nomes científicos para lá de diferentes, a popularmente conhecida como Mariposa-beija-flor é um inseto do gênero Aellopos, conhecido internacionalmente como hummingbird hawk moth. Encontrado, principalmente, no Sul da Europa, norte da África e Ásia, o bicho voador possui corpo aerodinâmico, asas dianteiras longas e traseiras pequenas. Já foram encontradas também em algumas regiões do Brasil, como nas bacias amazônicas e em Santa Catarina.

Além de serem confundidas com o beija-flor, essa espécie de mariposa também se alimenta do néctar de flores e bate rapidamente as asas, fazendo com que seja comparadas ainda mais com a ave. Segundo o Instituto Rã-bugio, "É uma estratégia para confundir os predadores, as aves principalmente. Observe que tem até uma cauda para se parecer mais ainda com um beija-flor".

De acordo com uma recente pesquisa em um artigo publicado na Revista Ecology, o biólogo Felipe Amorim, do Instituto de Biociências do campus de Botucatu da Universidade Estadual Paulista (Unesp), explica que trata-se de uma técnica de mimetismo, mas diferente das que já foram estudadas por Henry Bates e Fritz Müller. “Elas se parecem com animais que não fazem parte da dieta de seus predadores, que são aves insetívoras”, relatou à Revista Pesquisa FAPESP.

"É diferente do mimetismo batesiano, no qual animais inofensivos se parecem com perigosos, e assim repelem potenciais predadores. Também não se encaixa no mimetismo mülleriano, no qual duas ou mais espécies diferentes se assemelham umas às outras, e assim reforçam o sinal de perigo aos predadores", complementou.

Ainda, a espécie é fundamental na polinização de plantas e flores, promovendo equilíbrio à flora e ao ecossistema. Graças à sua rapidez e controle de voo, ela consegue sugar muitas flores, e relembra de todas, marcando quais são os seus néctares favoritos, dentre eles salva, alecrim, cardo e verbena. Vale lembrar e salientar que o inseto voador tem hábitos diurnos.

Essa notícia também repercutiu nos veículos:
Portal Pinzón Biólogo