Notícia

Gazeta Mercantil

Acervos digitalizados e acessíveis: o objetivo do Arquivo paulista

Publicado em 04 novembro 2003

Por Cristina Borges Guimarães
Digitalizar documentos é uma forma de torná-los mais acessíveis e não apenas de preservá-los. Esta é a filosofia do Arquivo do Estado (AE) de São Paulo, segundo maior acervo de documentos históricos do País. Por isso o trabalho de digitalização está sendo desenvolvido em um projeto piloto que visa despertar o interesse de potenciais patrocinadores para dar continuidade à digitalização das primeiras 45 mil imagens de revistas dos séculos XIX e XX e ilustrações, que já se encontram disponíveis para consulta no banco de dados do arquivo. O volume de material digitalizado até agora é de 40 gigabytes de dados, uma fração insignificante do total de documentos oferecidos, mas que já serve como amostra para um projeto futuro. Os principais objetivos são ampliar o fornecimento de imagens digitais para outros conjuntos documentais e a liberação deste conteúdo na web. Esta é a parte mais audaciosa do projeto. A meta é atacar as duas frentes, mas temos problemas para o financiamento do projeto já que precisaremos de mais espaço para guardar as novas imagens digitalizadas e dependeremos de investimentos em storage , diz o coordenador das áreas técnicas do arquivo paulista, Lauro Ávila. Segundo ele, também será necessária a criação de uma nova página na internet para disponibilizar a informação. Quem investir nisto fará um serviço para a cultura do País , diz. O arquivo quer dar continuidade ao trabalho, mas precisa de um novo aporte da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Estamos, em parceria com a Unisys, buscando patrocínio para aprovar um projeto amplo de digitalização junto ao Conselho Municipal de Cultura e ao Memorial do Imigrante , diz Ávila. Este patrocínio também pode ocorrer pela Lei Mendonça de incentivo. O conjunto documental mais cotado para ser o próximo a passar pelo processo de digitalização é o acervo fotográfico, que conta com 160 mil fotos do jornal Última Hora do Rio de Janeiro, que circulou de 1951 a 1971; 2.162 caricaturas digitalizadas e 600 mil negativos, também do Última Hora, além de 805 mil fotos dos Diários Associados. De acordo com o diretor técnico do AE, Fausto Couto Sobrinho, o pré-orçamento do projeto é de mais R$ 3 milhões. O valor do acervo é dezenas de vezes superior a isso , afirma. Já foram investidos R$ 650 mil dos quais R$ 220 mil foram para informática. O Programa de Infra-Estrutura da Fapesp liberou, a partir de 1998, a verba que está ajudando o AE a recuperar e tornar acessível seu acervo com mais tecnologia em parceria com a Unisys. A solução da Unisys inclui o software Unisys Image Folder, para digitalização de imagens, três servidores de rede, dois scanners, o cabeamento e a integração da rede, a instalação do banco de dados das imagens SQL da Microsoft e o treinamento dos funcionários do AE. O banco de dados das imagens está disponível para consulta por meio de dois computadores do AE. A consulta pelo computador evita o manuseio dos documentos, um dos motivos de deterioração do acervo , afirma Ávila. A digitalização também previne a perda de documentos originais em incêndios e o roubo de documentos raros. O sistema permite ainda a gravação em CD das imagens eliminando o processo de fotocópias. Assim, o pesquisador pode levar para casa a informação que desejar. Os documentos que não estão no banco de dados podem ser digitalizados em scanner e gravados em CD, numa prestação de serviço sob demanda , diz Ávila. O arquivo usa um sistema híbrido de microfilmagem e digitalização. A microfilmagem é a forma mais eficaz para preservação dos documentos. A digitalização não é estável e pressupõe a migração constante para novas tecnologias em uso - hardware, software e padrão de imagem -, mas permite democratizar a informação. Outros trabalhos realizados foram o mapeamento do AE em catálogo eletrônico permitindo busca por palavra-chave, título, autor. Está sendo produzido um catálogo impresso que servirá de guia do AE. A criação de um centro de referência jornalística é outra idéia.