Notícia

Portal Fator Brasil

A.C.Camargo caça células após coleta de sangue para antecipar sucesso de terapias contra o câncer

Publicado em 04 julho 2012

Pesquisadores do Hospital A.C.Camargo receberam financiamento da FAPESP para analisar os níveis de células tumorais circulantes no sangue de pacientes com a proposta de apontar um marcador sanguíneo que indique, antes do tratamento, a possibilidade de resposta positiva às terapias e, desta forma, evitar medidas terapêuticas e exames desnecessários

Por meio de uma simples coleta de sangue de pacientes com câncer poder antever se determinado tipo de tratamento trará ou não a resposta mais eficaz para cada caso. Este é o objetivo de pesquisadores do Hospital A.C.Camargo responsáveis por estudo sobre o papel das chamadas células tumorais circulantes (circulating tumor cells - CTCs) na evolução e estabelecimento do potencial de agressividade da doença. Liderado pelo patologista e diretor de Anatomia Patológica, Fernando Augusto Soares, o estudo reúne também o diretor de Oncologia Clínica, Marcello Fanelli e a pesquisadora Ludmilla T. Domingos Chinen.

Inédita no Brasil, a análise dos níveis de células tumorais circulantes teve seus primeiros relatos feitos ao longo dos últimos anos por pesquisadores norte-americanos e europeus. O projeto brasileiro está sendo financiado pela FAPESP, que está investindo 700 mil reais até maio de 2014.

A meta do A.C.Camargo é realizar ao longo dos próximos dois anos a contagem das CTCs de 230 pacientes a serem atendidos no Ambulatório de Oncologia Clínica, sendo 100 com diagnóstico de câncer colorretal, 100 com câncer de pulmão e outros 30 com câncer de pâncreas. Acredita-se que a disseminação do câncer necessita da presença de CTCs. “Quanto mais células tumorais circulantes no sangue, pior é o prognóstico”, destaca Marcello Fanelli.

Participarão pacientes a partir de 18 anos com doença localmente avançada ou doença metastática confirmada por análise patológica e/ou radiológica e também pacientes que iniciarão quimioterapia de primeira linha para doença metastática e com extensão da doença determinada por exame físico e por imagem. Não serão incluídos pacientes com histórico prévio de outro câncer nos últimos dois anos.

Em caráter prospectivo, o estudo será realizado por meio de coleta de sangue (plama) de pacientes com tumores sólidos metastáticos ou localmente avançados, tendo como controle negativo o sangue de indivíduos sadios e como controle positivo amostras de sangue com células tumorais de cólon mantidas em cultura. O sangue dos pacientes será coletado em três tempos, sendo o primeiro antes do início do tratamento sistêmico (quimioterapia, terapêutica hormonal, terapias-alvo, dentre outras), a segunda etapa três a quatro semanas após o início do tratamento e a terceira se repetindo a cada 9 ou 12 semanas, dependendo do tratamento.

Será utilizado pelos pesquisadores do A.C.Camargo o sistema Ariol, que faz a separação celular por pérolas magnéticas e as identifica por meio de anticorpo anti-citoqueratina, fazendo a seleção negativa com anti-CD45 (separação de leucócitos). Além disso, será usado o ISET (Isolation by Size of Epithelial Tumor Cells), um método direto de enriquecimento das células epiteliais por filtração. “A simplicidade proporcionada pelo ISET evita a perda de células raras em múltiplos passos de isolamento. Após isoladas, as CTCs podem ser caracterizadas, por exemplo, por imunocitoquímica, FISH ou análise molecular”, afirma Ludmilla Chinen.

De acordo com os pesquisadores, o protocolo visa estabelecer se a metodologia de contagem de CTCs poderá ajudar a nortear o tratamento de diferentes maneiras. “Queremos correlacionar os níveis de CTCs com exames de imagem e poder afirmar se com a informação gerada o clínico poderá melhor determinar se uma um terapia específica está funcionando ou não”. Ainda segundo eles, existe a meta de levar à diminuição de exames de imagem, que são onerosos e cansativos e, para tanto, apenas fazer o acompanhamento dos pacientes pelos níveis de CTCs. Por fim, pela observação da expressão de marcadores/genes nas CTCs e sua correlação com a expressão nos tumores, os pesquisadores querem chegar à conclusão sobre qual é o tipo de terapia mais eficaz para cada paciente, levando a uma individualização inteligente do tratamento.

Hospital A.C.Camargo - Instituição filantrópica criada em 1953 por Antônio e Carmen Prudente, o Hospital A.C.Camargo é um dos maiores centros de tratamento oncológico da América Latina. De forma integrada e multidisciplinar, atua na prevenção, diagnóstico e tratamento ambulatorial e cirúrgico dos mais de 800 tipos de câncer identificados pela Medicina, divididos em mais de 40 especialidades. A cada ano identifica e trata 15 mil novos pacientes de diversas partes do país e exterior, totalizando mais de um milhão de procedimentos (consultas, exames laboratoriais e por imagem, internações, cirurgias, quimioterapia e radioterapia, entre outros). Seu corpo clínico é composto por uma equipe fechada de mais de 500 especialistas, a maior parte com mestrado e doutorado. A dedicação e interação destes profissionais em atividades interdisciplinares resulta em um tratamento com melhores índices de sucesso, só comparáveis aos observados nos maiores centros oncológicos do mundo.

Na área de ensino, o A.C.Camargo criou a 1ª Residência em Oncologia do país, em 1953, tendo formado em 2010 o seu milésimo residente. É também responsável pela formação de um em cada três oncologistas em atividade no Brasil. Sua pós-graduação, criada em 1997, é a única em um hospital privado reconhecida pelo Ministério da Educação e foi avaliada com nota máxima durante toda essa década pela CAPES, tornando-se assim, entre escolas públicas e privadas, a melhor do país em Oncologia e uma das duas melhores em Medicina. Tem a maior produção científica da área, com mais de mil trabalhos publicados na última década nas principais revistas internacionais de alto impacto. Centralizou em 2000 o Genoma do Câncer no Brasil, financiado pela FAPESP e Instituto Ludwig.

Em 2009, o Hospital foi apontado pela edição 500 Melhores Empresas da revista Istoé Dinheiro como uma das melhores em Saúde pelo terceiro ano consecutivo e pela segunda vez consecutiva entre as 10 melhores empresas de serviços médicos do Brasil na Gestão de Pessoas, de acordo com o anuário Valor Carreira. Em 2011, o Hospital foi eleito pela terceira vez uma das melhores empresas para Você trabalhar do Guia Você S/A Exame e, em 2012, conquistou a Certificação Internacional pelo Canadian Council for Health Services Accreditation (CCHSA).