Notícia

UFSCar Campus Araras

Abralin premia livro e artigo de docentes e pesquisadoras da UFSCar

Publicado em 12 novembro 2021

Um dicionário sobre discurso digital e um artigo que trata de discursos sobre as falas femininas no Brasil, de docentes e pesquisadoras da UFSCar, foram premiados pela Associação Brasileira de Linguística (Abralin). O Dicionário sobre discurso digital, de autoria de Marie-Anne Paveau, organizado e traduzido pelo docente do Departamento de Letras (DL), Roberto Leiser Baronas, e pela pós-doutoranda e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa dos Estado de São Paulo (Fapesp), Julia Lourenço, ambos da UFSCar, recebeu o Prêmio Joaquim Mattoso Câmara Jr. (primeira colocação). Já o Prêmio de Melhor Artigo publicado na Revista Abralin foi dado ao artigo "Discursos sobre a fala feminina no Brasil contemporâneo", de Amanda Batista Braga, docente da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e pós-doutoranda no Departamento de Letras da UFSCar, e de Carlos Piovezani, docente do DL.

A obra "Análise do discurso digital: dicionário das formas e das práticas" (originalmente intitulada "L'Analyse du discours numérique: Dictionnaires des formes e des pratiques") foi publicada pela editora Hermann, de Paris, em 2017. Em 2021, foi traduzida por uma equipe de 30 pesquisadores brasileiros e publicada pela Editora Pontes; no mesmo ano, ganhou o prêmio da Abralin.

"Redigido com o rigor teórico necessário para que se compreenda a virada epistemológica sob a qual o livro se apoia, Marie-Anne Paveau brinda os leitores com 31 verbetes - mais a introdução -, os quais concretizam o projeto, que de modo perceptível, se desenvolveu ao longo de variados anos de trabalho, pesquisa e paixão", explicam Roberto Baronas e Julia Lourenço. Segundo os organizadores, trata-se de um livro original que, a partir de uma base sólida, apresenta uma reflexão profunda acerca do funcionamento dos discursos nativos da internet: "A obra é calcada na Análise do discurso francesa, para trabalhar com os tecnodiscursos, isto é, discursos produzidos na imbricação entre os dispositivos técnicos". Eles destacam ainda que o dicionário é importante para o terreno das pesquisas em Humanidades, Linguística e Análise do discurso e que ressalta "a necessidade da Análise do discurso em se colocar enquanto disciplina capaz de lidar com o digital, tendo sempre em perspectiva o diálogo polêmico ou de aliança inter e transdisciplinar".

Já o artigo "Discursos sobre a fala feminina no Brasil contemporâneo" mostra como discursos preconceituosos, discriminatórios e excludentes dificultam o acesso das mulheres ao espaço público. "O objetivo de nosso artigo é duplo", explicam Amanda Braga e Carlos Piovezani, "por um lado, analisamos discursos que, em diferentes tempos, lugares, instituições e campos do conhecimento, conservam estigmas e depreciações da fala feminina, nos quais se afirma que as mulheres não saberiam falar em público, que elas não teriam corpo e voz apropriados para fazê-lo e que elas não teriam legitimidade para ser porta-vozes de suas classes e grupos sociais, e, por outro, examinamos também discursos que, principalmente com base em movimentos feministas avant la lettre e feministas propriamente ditos, se contrapuseram a esses estigmas e a essas depreciações".

Os autores utilizaram o campo da Análise do discurso para examinar os discursos do preconceito contra a fala feminina e os da resistência a essas discriminações. "Articulamos ainda à Análise do discurso alguns princípios da História das ideias linguísticas e da História das sensibilidades para examinar esse importante aspecto, o de uma espécie de divisão sexuada, do fenômeno da fala pública, que é um objeto que compreende fatores culturais, históricos, sociais e afetivos", complementam.

O conjunto do material de análise abrange uma obra escrita por um jornalista, que deprecia a ex-presidenta Dilma Rousseff a partir de uma série de preconceitos contra suas formas de se expressar publicamente, além de notícias e artigos de opinião, publicados em grandes veículos da imprensa brasileira, que detratam Dilma Rousseff, Manuela D'Ávila e Tábata Amaral. Também foram utilizados textos clássicos, como a Retórica, de Aristóteles, e mesmo postagens em redes sociais.

Reconhecimento, união e resistência

Os pesquisadores da UFSCar ressaltaram a importância do reconhecimento da Associação Brasileira de Linguística em relação às duas produções. "O prestígio e a relevância da Abralin é o que, definitivamente, concretiza o grande significado do prêmio Joaquim Mattoso Câmara, pois, ao recebê-lo, fica comprovada a importância da obra vencedora para o cenário da pesquisa Linguística. A seriedade da instituição, do processo de avaliação e a competência dos profissionais que participam das comissões reforçam a honra que este prêmio confere", destacam Roberto Baronas e Julia Lourenço. Os autores afirmam ainda que "o dicionário foi traduzido por uma grande e forte equipe de pesquisadores e pesquisadoras do Brasil, que se dedicaram, comprovadamente com maestria, nesta tarefa. Para além da importância do texto e do trabalho de tradução em si, encaramos esta obra - e consequentemente este prêmio que recebemos - como uma forma de a ciência resistir no cenário nacional". Eles alertam para o fato de que há um verdadeiro projeto de desmonte da educação, ciência e tecnologia em andamento no Brasil e que este coletivo do livro reforça a importância da unidade para que grandes resultados sejam possíveis.

O professor Carlos Piovezani acredita que um dos critérios que levaram o artigo a ser premiado, mesmo com muitos trabalhos em Ciências humanas sobre preconceitos e discriminações contra as mulheres, é a sua abordagem inovadora: "o fato de termos examinado esta complexidade: a força, o alcance e a conservação dos ataques à fala feminina na longa duração histórica, de um lado, e as transformações, inflexões e resistências que se impuseram a esses discursos do preconceito, da discriminação e da exclusão, de outro". Para ele, "a conquista desse prêmio significou o reconhecimento aos trabalhos que Amanda e eu estamos fazendo sobre a fala pública feminina e a honra por esse reconhecimento ter vindo da Associação Brasileira de Linguística, que é a principal instituição do campo de conhecimento em que atuamos. Além do reconhecimento e da honra, o prêmio também significa um grande estímulo para que continuemos esses nossos trabalhos conjuntos e para que busquemos alcançar outros resultados de pesquisa que conjuguem relevância social e excelência acadêmica e científica".

Saiba mais

O artigo "Discursos sobre a fala feminina no Brasil contemporâneo" pode ser acessado em https://bit.ly/3nwWfmA. A obra "Dicionário do Discurso Digital" pode ser adquirida pela Pontes editores, no site https://bit.ly/3BgDoAU. Para saber mais sobre a Associação Brasileira de Linguística (Abralin), acesse www.abralin.org.