Notícia

O Liberal (PA)

A relevância da saúde mental materna

Publicado em 13 agosto 2013

Pesquisa feita em São Paulo revelou a importância da saúde mental materna, na qual 100 mães de bebês com seis a 12 meses de idade frequentavam um projeto de extensão cujo objetivo era monitorar o desenvolvimento de bebês até 12 meses. As mães que foram convidadas e que aceitaram participar do estudo, responderam os instrumentos individualmente, de forma personalizada. Para a psicóloga Sária Cristina, mestre em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizado e autora da pesquisa, as práticas positivas precisam aumentar e as negativas diminuir. “A prática positiva de ‘Monitoria Positiva’ teve alta frequêncía no caso das mães que participaram do meu estudo. No entanto, notamos as práticas negativas também presentes, especialmente a “Punição Inconsistente”, que refere-se à dependência do humor dos pais para que eles punam ou reforcem os comportamentos de seus filhos, também aplicando a “Disciplina Relaxada”, que consiste no fato dos pais não cumprirem as regras pré-estabelecidas por eles próprios”, diz.

A pesquisa mostra que estudos que promovam o aumento da utilização de práticas parentais positivas e diminuição das negativas, podem auxiliar no desenvolvimento adequado dos filhos.

Os resultados

Os resultados do estudo apontam que mães de bebês apresentam alta frequência da prática de Monitoria Positiva, mas também alta frequência de Punição Inconsistente e Disciplina Relaxada.

Mães com mais filhos apresentaram alta frequência de todas as práticas negativas avaliadas enquanto que mães de família nuclear apresentaram alta frequência de Negligência e mães com escolaridade mais baixa, alta frequência de práticas negativas e baixa de Monitoria Positiva.

A pesquisa, financiada pela FAPESP (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), faz parte da dissertação de mestrado, apresentada em junho, no Programa de Pós-Graduação em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem na Faculdade de Cíências da Unesp, campus de Bauru e teve como orientadora Olga Maria Piazentin Rolim Rodrigues.