Notícia

Jornal da Unesp

A pleno vapor

Publicado em 01 junho 2001

A fábrica de rações da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV) da UNESP, câmpus de Jaboticabal, pode agora colocar em pleno funcionamento sua extrusora e peletizadora de alimentos. A Associação Nacional dos Fabricantes de Alimentos para Animais de Estimação (Anfal-Pet), a Fundação de Estudos e Pesquisas em Agronomia, Medicina Veterinária e Zootecnia (Funep) e a FCAV firmaram um convênio que possibilitou, em outubro último, a inauguração de uma linha de vapor, no valor de R$ 28 mil reais. "É um passo importante para que possamos atuar com plena capacidade", afirma o coordenador da fábrica, Atushi Sugohara, do Departamento de Zootecnia da FCAV. Enquanto as fábricas de rações voltadas para o mercado exigem, para iniciar um processamento de alimentos, um mínimo de 8 mil kg, a fábrica da FCAV pode trabalhar com apenas 250 kg. "Essa diferença faz com que voltemos nossa produção para rações de pesquisa", diz Sugohara. "Aliás, foi essa possibilidade de produzir montantes menores que despertou o interesse da Anfal-Pet." Graças ao convênio, os afiliados da Anfal-Pet poderão produzir, na fábrica da FCAV, rações-piloto para suas indústrias. "Vamos gerar economia para os fabricantes, que poderão utilizar nossas instalações sem paralisar suas produções para teste", afirma a presidente da Associação, Sônia Háfez. Com a nova linha de vapor, a fábrica, que ocupa 450 m2, pode realizar a extrusão - cozimento e expansão - do alimento, tornando-o granulado, pré-cozido e de baixa densidade. Pode, ainda, realizar a peletização, processo que compacta os alimentos. "Dessa forma, vamos poder atender às demandas de rações para os diversos animais presentes no câmpus, como peixes e rãs, e aceitar encomendas para cães e gatos enviadas pela Anfal", diz Sugohara. GRANDE IMPULSO Para viabilizar a instalação da peletizadora e da extrusora, a fábrica, financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), recebeu seu primeiro grande impulso, em 1996, com um projeto da zootecnista Nilva Kazue Sakomura, vice-coordenadora da fábrica. Nilva tornou possível a aquisição de equipamentos para moagem e mistura de ração e equipamentos para descarga, armazenamento e transporte interno de grãos. Em seguida, outro projeto, de Newton Castagnoli, do Departamento de Zootecnia e do Centro de Aqüicultura da FCAV, viabilizou a compra de máquinas para a extrusão e a peletização. "Vieram as máquinas, mas faltava a linha de vapor, que conseguimos implantar agora", diz Nilva. A fábrica, que conta com misturadora, peletizadora e extrusora, com respectivas capacidades de 2 mil kg/hora, 300 kg/hora e 250 kg/hora, poderá, com a linha de vapor recém-inaugurada, cumprir melhor seu papel na formação acadêmica dos alunos da FCAV, nos cursos de zootecnia, agronomia e veterinária. "Quase 100% dos alunos do Departamento de Zootecnia passam por aqui em algum momento do curso, em atividades de ensino e em diversos projetos de pesquisa", informa Nilva. "Também atendemos alunos de pós-graduação de outros câmpus", completa Sugohara. ."