Notícia

Jornal da Unesp online

A obra múltipla de Foucault

Publicado em 01 março 2007

Por Oscar D'Ambrosio

Quinze estudiosos avaliam a extensa contribuição do pensador francês para a cultura contemporânea

Referência obrigatória quando se enfocam questões como loucura e sexualidade, Michel Foucault (1926—1984) trata, em seus escritos, principalmente do tema do poder, encarado como complexa relação de forças e não apenas como instância localizada em uma instituição ou no Estado.
Para Foucault, professor no Collège de France de 1970 a 1984, o poder não somente reprime, mas também produz efeitos de verdade e saber, que constituem verdades, práticas e subjetividades. Por isso, seus estudos são autênticas genealogias, nas quais não há uma origem única e causal, mas análises de multiplicidades e das lutas em torno de um aspecto central a ser desvendado por um pesquisador.
Este livro, que traz à tona diversas questões enfocadas pelo pensador francês, surgiu a partir do seminário O legado de Foucault, ocorrido na Faculdade de Ciências e Letras (FCL) da UNESP, campus de Araraquara, em 2004. Os organizadores, Lucila Scavone, Marcos César Alvarez e Richard Miskolci, professores de Sociologia, respectivamente, de FCL, USP e UFSCar, inseriram nesta edição, além de textos do evento, contribuições originais de Philippe Artières, historiador do Centro Nacional de Pesquisa Científica (CNRS/Paris), José Carlos Bruni, do Departamento de Filosofia da UNESP/Marília, e Michele Perrot, professora na Universidade de Paris VII, França.
Assuntos como engajamentos e resistências, feminismo, amizade, corpo e estética da existência, direito, violência e controle social, além do percurso de Foucault, são tratados sob uma perspectiva que dimensiona a contemporaneidade do filósofo.
O mais fascinante na leitura dos 15 ensaios é a percepção de que a análise de Foucault supera qualquer tipo de divisão cronológica ou temática. Mais importante, talvez, que acompanhar as transformações históricas de seu pensamento é perceber a riqueza e diversidade dos castelos de questões que o intelectual francês ergueu.
O livro apresenta não apenas um homem a refletir sobre a existência, a lei e o direito, mas idéias sobre a atual sociedade de controle e mesmo sobre conceitos, ainda não claros, mas fundamentais para entender os paradigmas da modernidade e da pós-modernidade.
Talvez um dos conceitos mais importantes retomados no livro é o de que o tempo é uma sucessão de descontinuidades, sendo impossível ligar determinados fatos de modo que eles tenham uma origem, evolução lenta e contínua ou mesmo um progresso lógico.
Esse pensamento de Foucault revela como as trajetórias de vida das pessoas e das idéias estão ligadas a inúmeras contingências históricas. Nesse sentido, relações de causa e efeito, tão a gosto de mentes didáticas e simplistas, começam a perder sentido — e o acaso passa a ser visto como um elemento fundamental na cena histórica e filosófica. Por trabalhar essas questões, valorizando a pluralidade do ser, do fazer e do pensar, esta coletânea merece leitura atenta.
O legado de Foucault — Lucila Scavone, Marcos César Álvarez e Richard Miskolci (organizadores); Editora UNESP e Fapesp; 304 páginas; R$ 32,00. Informações: (11) 3242-7171, feu@editora.unesp.br e www.editoraunesp.com.br