Notícia

O Estado de S. Paulo

A morte de um guardião da história

Publicado em 01 março 2010

Por Antonio Gonçalves Filho
O ex-libris de José Mindlin, selo pessoal que o bibliófilo colocou em sua coleção de livros raros, não poderia identificar melhor quem foi o empresário, intelectual e acadêmico morto ontem, em São Paulo: "Je ne fait rien san gayeté" (Não faço nada sem alegria). De fato, quem teve o privilégio de conhecer e conviver com Mindlin sabe que caiu bem na vida do maior colecionador de livros do Brasil a escolha dessa máxima de Montaigne, retirada de seus Ensaios (do qual sua biblioteca tem um raríssimo exemplar, de 1588, que pertenceu ao [...]

Conteúdo na íntegra disponível para assinantes do veículo.