Notícia

Jornal da USP online

‘A grande mudança de conhecimento vem do desconhecido’

Publicado em 09 setembro 2020

Por Herton Escobar

Alicia Kowaltowski, do Instituto de Química da USP, fala sobre a importância da curiosidade científica e da manutenção dos investimentos em ciência básica

Quase 30 anos atrás, pesquisadores na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) estavam pesquisando mitocôndrias de batatas — por pura curiosidade — quando encontraram uma proteína que até então só era conhecida em mamíferos, chamada termogenina (ou proteína desaclopadora). Ficaram surpresos, porque, até onde se sabia, a função dessa proteína era gerar calor para controlar a temperatura corporal dos animais “de sangue quente”; e as batatas não precisavam disso. Então, ela deveria ter alguma outra função.

O achado foi publicado na revista Nature, em 1995, em colaboração com cientistas da USP, e a partir daí descobriu-se que essa proteína está presente no organismo de todas as plantas e animais — não apenas nos mamíferos ou nas batatas —, e que ela tem um papel fundamental no controle do metabolismo humano. É por causa dela que algumas pessoas (em que essas proteínas são mais ativas) conseguem comer muito sem engordar: porque elas queimam o excesso das calorias que consomem com mais eficiência.

Alicia Kowaltowski,convidada desta semana do programa Você e o Pesquisador e Herton Escobar – Foto: Jornal da USP

“A verdade é que você só descobre coisas completamente novas, e muda muito o rumo da ciência, quando vai procurar coisas muito fundamentais e muito novas. Essa é a importância da ciência básica”, disse a bioquímica Alicia Kowaltowski, professora do Instituto de Química da USP e especialista em metabolismo. “Óbvio que fazer ciência de desenvolvimento é extremamente importante; você conseguir deslanchar um produto para o mercado. Mas a grande mudança de conhecimento vai vir do desconhecido.”

Alicia foi a convidada desta semana do programa Você e o Pesquisador, uma série de lives organizadas pela Pró-Reitoria de Pesquisa, com apoio do Jornal da USP, em que pesquisadores são convidados para falar sobre as contribuições que a ciência feita na universidade traz para a sociedade. (Assista à íntegra da entrevista abaixo.) Hoje professora titular do IQ-USP e referência internacional no estudo do metabolismo humano, ela era aluna de graduação e fazia iniciação científica no laboratório do professor Anibal Vercesi, na Unicamp, quando ele descobriu a proteína desacopladora, em 1995.

“Hoje a gente sabe porque algumas pessoas são muito magras por causa de um cara que estava estudando mitocôndrias de batata. Ninguém poderia prever isso”, disse Alicia. O estudo do metabolismo, ressaltou ela, tem implicações práticas cruciais para o entendimento de como os alimentos, o ambiente, o envelhecimento e o nosso comportamento influenciam a ocorrência de uma série de doenças graves ao longo da vida, como obesidade, câncer e diabetes.

PL 529: “Apagão científico”

Alicia também falou sobre os desafios de se fazer ciência no Brasil e criticou fortemente iniciativas políticas que buscam reduzir os investimentos em pesquisa no País — como o Projeto de Lei 529 do Governo do Estado de São Paulo, que propõe confiscar as reservas financeiras das universidades estudais paulistas e da Fapesp.

Segundo ela, o projeto é um “desastre” que vai causar um “apagão científico” no Estado, pois impossibilitará imediatamente a realização de estudos de longo prazo, que são a base do desenvolvimento científico em qualquer lugar do mundo. “Qualquer ciência depende de recursos de mais de um ano”, disse. “Não podemos permitir que isso passe de maneira nenhuma; seria uma tragédia.”

As entrevistas do Você e o Pesquisador ocorrem a cada 15 dias, e os vídeos ficam disponíveis no Canal USP do YouTube. O programa é uma iniciativa complementar à exposição virtual Você e a USP – A Universidade de São Paulo sempre presente na sua vida.