Notícia

Jornal de Piracicaba

A formação do economista, a pesquisa e a extensão universitária

Publicado em 19 setembro 2006

Considerando o atual ambiente de transformações é possível identificar o crescente papel dos fenômenos econômicos e sociais, os quais exercem pressões por mudanças em várias instâncias da sociedade. A universidade, instituição voltada para o ensino, a pesquisa e a extensão é capaz de captar, através do conhecimento, tais fenômenos e processos, interferindo na sociedade, respondendo às pressões sociais com a capacidade científica acumulada por alunos e professores.

Perceber o ambiente que a cerca é papel da universidade. Investigar, conhecer e compreender as transformações e mudanças é papel da pesquisa, revisitando o conhecimento acumulado, realizando novas descobertas e produzindo novos saberes sobre a realidade socioeconômica e cultural que se vivencia. Esta tem sido uma prática de longo tempo do curso de economia da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), seja através das pesquisas desenvolvidas pelos professores e alunos, do Banco de Dados Socioeconômicos, do Núcleo de Pesquisa e Documentação Regional (NPDR) e nas parcerias entre o curso e instituições públicas e privadas (prefeituras, Caixa Econômica Federal e outras), seja através das monografias produzidas pelos alunos como trabalho de conclusão de curso.

Com destacado apelo regional, na pesquisa identifica-se a atuação do economista na análise de aspectos relevantes da realidade, tais como emprego, renda, custo da cesta básica, estrutura industrial e urbana, estudo de caso sobre empresas ou setores de atividades e ainda sobre segmentos sociais, como é o caso da pesquisa que estamos desenvolvendo desde 2004 sobre os fornecedores de cana do Estado de São Paulo. Tais estudos resultam em inúmeras publicações na forma de livros e artigos, de congressos e revistas que permitem a socialização desse conhecimento produzido. Vale destacar que a pesquisa tem sido viabilizada pelo fomento de bolsas para alunos, via agências financiadoras como CNPQ (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), convênios e pelo precioso apoio do Fundo de Apoio a Pesquisa da Unimep.

A extensão, aliada ao ensino e à pesquisa, oferece aos alunos e professores a oportunidade de levarem o conhecimento acumulado e produzido para os vários segmentos da sociedade. Esta aproximação facilita a compreensão da realidade, fornecendo material empírico à pesquisa e articulando, assim, teoria e prática. Permite que nossos alunos se apropriem do saber qualificando sua competência individual com o compromisso social. As experiências oriundas das atividades de extensão dos nossos alunos de economia têm colaborado significativamente para seus amadurecimentos durante a trajetória universitária.

É o caso da experiência vivida no projeto de extensão Alcançar, do curso de economia, desenvolvido em parceria com a Rede Unitrabalho, que visa a auxiliar na organização e gestão de cooperativas e empreendimentos, via princípios da economia solidária e a gerar trabalho e renda para a população com precárias condições de vida. Através da Incubadora de Cooperativas e Empreendimentos Populares, agregando-se professores e alunos, são desenvolvidas ações na comunidade que ampliam parcerias no combate à exclusão social.

As práticas de pesquisa e extensão têm constituído espaços de formação e aperfeiçoamentos intelectual e profissional dos alunos. Muitos iniciam tais atividades timidamente e se transformam no decorrer da experiência, se surpreendendo com a própria capacidade para lidar com os instrumentos analíticos oferecidos pela ciência econômica.

A troca de experiências entre alunos e vários segmentos sociais das comunidades local, regional e até nacional, proporcionada pela pesquisa e extensão, exige atualização do curso de economia, em consonância com os anseios de aprimoramento e/ou transformação das competências do economista. É a oportunidade de o aluno iniciar a construção de sua história enquanto futuro economista com disposição suficiente para que o novo se pronuncie em sua vida como uma incessante busca e para combater o anacronismo profissional. Em termos de mudanças, evoluir significa ampliar o conhecimento com a consciência da responsabilidade social.

Maria Thereza Miguel Peres (mtmperes@unimep.br) e Eliana Tadeu Terci (etterci@unimep.br) são professoras do curso de economia da Unimep e doutoras em história social pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (Universidade de São Paulo)