Notícia

Gazeta de Ribeirão online

A culpa é da poltrona

Publicado em 07 novembro 2010

Por FABIO SERAPIÃO

Problemas relacionados à comodidade das poltronas. De acordo com estudo do Laboratório de Pesquisa Ergo&Ação, do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), esse é o principal motivo da sensação de alívio estampada nos rostos dos usuários ao desembarcar de aeronaves após voos domésticos no Brasil. Financiada pela Fapesp, Embraer e com apoio da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a pesquisa - desenvolvida em parceria com a Universidade de São Paulo (USP) e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) - visou simular as condições nos voos domésticos. Liderados pelo professor Nilton Luiz Menegon, os pesquisadores ouviram 377 passageiros e aplicaram questionários em usuários de 40 trechos de voos domésticos efetuados por sete companhias aéreas.

Realizada entre novembro de 2009 e fevereiro deste ano, a pesquisa mostrou que os assentos, em especial os do meio, são os maiores vilões causadores de desconforto nas viagens. As principais reclamações levantadas são referentes ao pouco espaço para as pernas, a largura do assento, falta de apoio para os pés e apoio compartilhado para os braços.

Utilizando um método inédito no País, os estudiosos filmaram e fotografaram os passageiros durante as viagens e depois transformaram todo o material em animação com bonecos. Com tudo digitalizado, foi possível analisar a movimentação dos passageiros durante o voo. "O diferencial dessa pesquisa é que analisamos todo o processo postural dos passageiros dentro do avião de forma dinâmica", afirmou Marina Fonseca Greghi, doutoranda que participou da pesquisa.

O emprego da técnica em escala real possibilitou demarcar a proximidade entre as poltronas e a falta de espaço para movimentos simples, como cruzar as pernas. Foi criada uma escala de 0 a 10, sendo 10 o grau máximo de desconforto. Com nota 9, a poltrona foi criticada por 78%.

SAIBA MAIS

Reclamações relativas à poltrona de avião

Largura

Falta de apoio para a cabeça

Pouco espaço para movimentação do corpo

Apoio para pés inadequado

Apoio de braços compartilhado

Pouca inclinação do encosto

Espaço para entrada e saída quando a poltrona da frente está reclinada

Dormir lidera lista da vergonha

Durante o estudo para detectar as causas do desconforto nas viagens aéreas dentro do País, foram filmados 46 usuários com peso, altura e idade variados. Dentre as atividades realizadas por eles dentro dos aviões, as que mais causaram constrangimentos nos voos foram repousar e dormir (74,65%), alimentar-se (46,06%) e dificuldade para ir ao banheiro (40,63%). Para o motorista paraibano José Júnior Rocha, de 34 anos, a situação piora em viagens mais longas. Segundo ele, que usa o transporte aéreo mensalmente, em viagens longas ele chega a sofrer cãibras nas pernas graças à falta de espaço para movimentos. Questionada sobre as conclusões da pesquisa, a Gol Linhas Aéreas disse que para os voos domésticos a empresa possui apenas uma classe com poltronas que seguem o padrão internacional. Contatadas pela reportagem, a TAM Linhas Aéreas e a WebJet Linhas Aéreas Econômicas não responderam até o fechamento desta edição. (FS/AAN)