Notícia

Projeto Draft

A Bright Photomedicine é uma solução à base de luz para tratar dores crônicas

Publicado em 17 outubro 2018

Por Dani Rosolen

É uma solução de tecnologia para tratamento de dores crônicas e debilitantes, usando fotobiomodulação (processo não invasivo no qual a energia luminosa restaura o equilíbrio das células).

Que problema resolve:

Busca promover tratamentos mais eficazes para a dor, sem efeitos colaterais, de forma a melhorar a qualidade de vida dos pacientes.

O que a torna especial:

Segundo os sócios, através do sistema da startup, uma dose é desenvolvida especialmente para cada paciente, levando em consideração alguns fatores como: natureza e local da dor, tipos de pele, entre outros. “Através do app para smartphones, o profissional médico terá acesso à nuvem, onde estarão armazenados os dados e as doses personalizadas de todos os pacientes”, afirmam.

Modelo de negócio:

A startup vende as doses por 60 reais. Os pacientes precisam ter uma prescrição médica para comprá-las.

Fundação:

Novembro de 2014.

Sócios:

Marcelo Sousa — Fundador, Presidente e Diretor Científico

Reinaldo Opice — Diretor Executivo

Jorge Marinho — Diretor Comercial e de Novos Negócios

Perfil dos fundadores:

Marcelo Sousa — 32 anos, Fortaleza (CE) — é PhD em Física Médica por Harvard e pela USP.

Reinaldo Opice — 55 anos, São Paulo (SP) — é formado em Engenharia Civil pela USP. Tem passagens pela IBM, Silicon Graphics, GE, Microsoft e como CEO e VP América Latina da Siemens e Enterasys.

Jorge Marinho — 53 anos, Rio de Janeiro (RJ) — Tem passagens pelo CitiBank, Banco Nacional, Abn-Amro, IBM, Grupo Martins e Lojas Americanas.

Como surgiu:

Os fundadores contam que a Bright Photomedicine surgiu como um forma de levar a mercado a pesquisa cientifica feita pelo também sócio Dr. Marcelo Pires de Sousa, no Instituto de Física da USP e na Harvard Medical School. Eles afirma que o pesquisador descobriu uma técnica para quantificar a dose de luz necessária para estimular o organismo a produzir remédios endógenos, criando, segundo eles, uma terapia com amplas aplicações e sem efeitos colaterais. A equipe criou o Light-Aid, equipamento que se liga ao smartphones e se conecta à plataforma virtual da empresa, onde podem ser encontrados os remédios digitais.

Estágio atual:

A startup está incubada no CIETEC (incubadora da USP), conta com 12 usuários profissionais de saúde e uma média de 25 pacientes atendidos por semana em cinco cidades brasileiras (São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Goiânia e João Pessoa).

Aceleração:

Foi acelerada pela Startup Farm e vencedora do programa de 2015.

Investimento recebido:

A Bright Photomedicine recebeu 1,1 milhão de reais de aporte da FAPESP, mais 700 mil reais de investidores-anjos.

Necessidade de investimento:

Os sócios buscam captar 1,5 milhão de reais de investimento coletivo via plataforma Kria.

Mercado e concorrentes:

“Os remédios digitais terão o mesmo mercado (ou ainda maior) que os remédios tradicionais. Portanto, o mercado total é de 1,1 trilhão de dólares por ano”, afirma Marcelo. Ele diz que podem ser considerados como concorrentes tanto dispositivos médicos quanto fármacos convencionais.

Maiores desafios:

“Desenvolvimento da plataforma virtual, concretização dos estudos clínicos, aprovações por órgãos reguladores no Brasil, Estados Unidos e Europa”, conta o fundador.

Faturamento:

Não informado.

Previsão de break-even:

2020.

Visão de futuro:

“A Bright Photomedicine pretende se tonar a maior plataforma de lançamento de novas terapias baseadas em energia do mundo”, fala Marcelo.

Onde encontrar:

Site

Contato

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.