Notícia

Jornal da Tarde online

66% dos brasileiros andam torto

Publicado em 25 maio 2006

Tese de doutorado de fisioterapeuta da USP mostra que maioria dos pesquisados tem desvio de postura
O brasileiro tem se portado mal. Ou melhor, levemente mal. Uma pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) com 115 pessoas consideradas saudáveis concluiu que 66% dos entrevistados apresentavam uma inclinação do tronco para o lado direito. Apenas 24% tinham altura igual para os dois lados do corpo.
"Trata-se de uma pequena inclinação, nada alarmante. A olho nu é quase imperceptível. Mas é um número considerável", diz a fisioterapeuta Elizabeth Ferreira, cujo estudo serviu como tese de doutorado.
A fisioterapeuta, entretanto, ressalta que o número não serve como referência. "A maioria da população é assimétrica, isto é, apresenta alguma diferença entre o alinhamento do lado direito e do lado esquerdo do corpo. É preciso rever este padrão de normalidade. Dos nossos pesquisados, apenas 12% tinham a cabeça e os ombros corretamente alinhados", afirma.
A pesquisa mostrou ainda que 68% das pessoas ouvidas tinham o ombro direito mais baixo do que o esquerdo; 67% tinham a cabeça levemente inclinada para a direita.
As pessoas entrevistadas no Laboratório de Biofísica da Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP tinham de 19 anos e 43 anos.
Desse total, 55% apresentavam uma inclinação à direita da bacia; 63,5% inclinação à direita da cabeça; e 67,8% inclinação do ombro à direita.

Software
A fisioterapeuta Elizabeth Alves Ferreira também desenvolveu, junto com uma equipe de físicos, o Software para Avaliação Postural (Sapo), que auxilia na análise da postura e equilíbrio do corpo.
O programa é gratuito e pode ser adquirido pela internet, no site www.sapo.incubadora.fapesp.br.
"Nosso objetivo, agora, é criar um banco de dados nacional sobre a postura da população. Este trabalho vai auxiliar médicos e pesquisadores em estudos futuros."