Notícia

O Movimento

24/03/2012 - Incubadora da USP gera R$ 1 milhão em dois anos

Publicado em 24 março 2012

Por Da Redação

Recentemente a Câmara de Pirassununga aprovou um convênio entre a USP (Universidade de São Paulo) e a Prefeitura. O objetivo do poder público municipal é apoiar a incubadora de empresas da Universidade.

De acordo com o secretário de Comércio e Indústria, Nilson Araújo, a Prefeitura vai entrar na parceria com verbas para a reforma de um prédio, o antigo ginásio de esportes da USP, para fazer um espaço para as empresas. O valor aprovado é de R$ 229.358,08, e segundo o secretário será liberado em parcelas, de acordo com o cronograma de reformas da USP.

No entanto, a reforma do prédio também contará com verbas vindas de outros locais. O coordenador do Unicetex (Centro de Inovação, Empreendedorismo e Extensão Universitária), Professor Dr. Celso da Costa Carrer, explica que além da verba da Prefeitura, a Universidade está pleiteando ajuda à Secretaria Estadual de Desenvolvimento. “E a reitoria também poderá completar o que faltar para a reforma do prédio”, diz ele.

 Gerando riquezas

O Unicetex é um centro voltado para o empreendedorismo, buscando capacitar pessoas na área de negócios e desenvolvimento tecnológico. O centro reúne grupos de pesquisa e projetos, entre eles a incubadora de empresas Unitec.

O grande diferencial da incubadora da USP é a busca por empresas com plano de negócio voltado para a inovação tecnológica. Celso aponta o apoio oferecido dentro da Unitec. “Os projetos recebem a assessoria de gestão e de mercado com consultores do Sebrae, podendo pleitear um plano de negócio. O projeto é avaliado por uma comissão formada por gestores e se considerado viável, poderá ficar na incubadora”, explica o professor.

Empresas de São Paulo, Ribeirão Preto e Jundiaí já estão instaladas e quatro firmas estão montando seus planos de negócio, em fase de pré-incubação. “Aqui temos empresas da área de logística, automação em zootecnia e precisão, serviços midiáticos, energia solar, tecnologias de informação, biotecnologia e reciclagem de óleos”, afirma Celso Carrer.

Segundo ele, foi feito um levantamento prévio sobre a incubadora. “E já geramos em torno de R$ 1 milhão em dois anos, e retornamos R$ 300 mil à sociedade por meio de impostos”, diz o professor da USP.

Exemplos

Uma das empresas incubadas é a SCI Inovações Tecnológicas, que busca soluções para agilizar tarefas no campo. O programador Luiz Antonio Bafini Júnior conta que a empresa já desenvolveu um coletor de dados que pode ser usado desde o controle de estoque até produção rural e colheita. O aparelho é semelhante a um celular.

Ainda de acordo com Luiz, a empresa também projetou um tipo de relógio de ponto eletrônico (Registrador Eletrônico de Ponto – REP) que possui uma grande mobilidade. “Ele chega até a lavoura e pode ser afixado em vários lugares, até ônibus e vans. O aparelho está aguardando o registro no Ministério de Trabalho para ser comercializado. Não há outro produto semelhante no mercado com tamanha mobilidade e precisão”.

O professor Celso afirma que alunos do próprio Campus podem criar empresas dentro da incubadora, como é o caso da Agroinova, que desenvolveu um software de gestão para a piscicultura.

O secretário de Comércio e Indústria, Nilson Araújo, conta que essa parceria pode render empresas e desenvolvimento para a cidade. “Essa parceria é importante porque oferece a oportunidade dos alunos criarem empresas, podendo depois ocupar um espaço em Pirassununga”, disse Nilson.

O professor Dr. Celso da Costa Carrer concorda: “A ideia é tornar a incubadora referência nacional, e acredito que isso pode ser um embrião para um futuro polo tecnológico, com a elaboração junto ao município. Em alguns anos seremos referência no Estado”.

 Incubando a empresa

O professor Celso Carrer explica que a incubadora está aberta para receber empresas da cidade e região interessadas em abrir um negócio com diferencial de inovação tecnológica. Para isso é necessário falar com Sandra Regina de Lucca, secretária do Unicetex, pelo telefone (19) 3565-4005, e marcar um horário.

Atualmente a incubadora tem capacidade para oito empresas, mas com as reformas isso vai aumentar para 24. O professor Celso explica uma das vantagens da Unitec: “Dar o apoio para empresas, diminuindo os riscos. A mortalidade das empresas incubadas é um décimo das empresas abertas fora da incubação. Outro diferencial é a oferta de recursos para o financiamento de empresas em que a tônica é a inovação por órgãos, como o FINEP, FAPESP e outros centros de pesquisa. Já tivemos investimentos de cerca de 10 milhões por um órgão desses”.