Notícia

Whow!

22 startups brasileiras que receberam investimentos em outubro

Publicado em 01 novembro 2019

Entre os principais investimentos, o destaque fica com a startup curitibana Ebanx. Ela foi avaliada em US$ 1 bilhão e se tornou um unicórnio brasileiro

Em setembro, o Whow! mapeou 14 aportes feitos em startups brasileiras . Já no último mês, identificamos 22 investimentos novos negócios digitais no Brasil.

A pesquisa acontece, através do acompanhamento do mercado de investimento global e as divulgações realizadas pelas próprias startups e na imprensa. Vale destacar que deste o início desta série em agosto, aqui no site, o mês de outubro registrou o maior número de aportes financeiros.

Ao final da matéria você encontrará o mapeamento de investimentos em startups brasileiras em agosto e setembro.

Veja a lista completa abaixo:

1. Alstra

A startup que desenvolveu uma plataforma de contratação de profissionais recebeu um aporte da Verus Group. O valor, não informado, será utilizado para acelerar o desenvolvimento da inteligência artificial que suporta o processo de matching de talentos e projetos. Em um ano de mercado, a Alstra acabou de expandir suas operações para Portugal, Espanha e Chile, e já conta com mais de 8 mil especialistas autônomos cadastrados em sua base. Grandes empresas, como Itaú, Travelex, PwC, KPMG e ConectCar, são clientes da plataforma.

2. Alicerce

A rede que oferece reforço escolar na periferia das cidades pretende escalar seu negócio com o aporte de R$ 20 milhões que recebeu. A rodada foi liderada pelos fundos Canary e Valor Capital, e teve a participação de investidores pessoa física. A startup pretende saltar dos atuais 12 polos para mais de 70 unidades em 2020. Fundada em 2019, a empresa atende cerca de 400 alunos em São Paulo, Belo Horizonte e Curitiba.

3. Antecipa

A fintech que desenvolveu uma plataforma de antecipação de recebíveis para pequenas e médias empresas recebeu R$ 4,5 milhões do fundo de venture capital Redpoint eventures e de investidores-anjo. Fundada em 2017, a startup já antecipou o equivalente a R$ 100 milhões e atingiu 25 mil negócios cadastrados no sistema.

4. Arpac

A startup prestadora de serviços especializada em pulverização de lavouras com drones captou R$ 1,3 milhão. Entre os investidores estão a MOR Capital e o Drone Fund, fundo global de investimento especializado em drones. Fundada em 2016, a Arpac recebeu seu primeiro aporte em 2017.

5. Buser

O Softbank fez um investimento na startup brasileira que conecta viajantes a outras pessoas interessadas na mesma viagem para que juntas elas possam fretar um ônibus junto a empresas de transporte executivo especializadas, possibilitando economias de até 60%. O valor da rodada não foi revelado. Marcelo Abritta, cofundador da Buser, disse que a startup vai investir cerca de R$ 300 milhões para expandir o negócio. A meta é chegar a 200 cidades em 20 estados nos próximos 12 meses e ampliar o número de viajantes diários dos atuais três mil para 30 mil.

6. Cobli

A empresa que usa a tecnologia de IoT (internet das coisas) para melhorar a performance da frota reduzindo gastos com combustível, manutenção e monitoramento de veículos recebeu um aporte de US$ 10 milhões liderado pela Fifth Wall. Com essa rodada, a startup já recebeu, até hoje, US$ 17 milhões em investimento. Com sede em São Paulo, a Cobli foi fundada em 2017.

7. Compass 3D

A Confrapar investiu R$ 7,5 milhões na Compass 3D, empresa de tecnologia e inteligência voltada a soluções odontológicas. Fundada em 2008 e sediada em Belo Horizonte, Minas Gerais, a startup oferece mais de 15 soluções odontológicas para as especialidades de ortodontia, implantodontia, cirurgia de face e próteses.

8. Ebanx

A fintech de Curitiba foi avaliada em US$ 1 bilhão ao receber um aporte do fundo americano FTV Capital. Isso significa que a startup entrou para a seleta lista de unicórnios brasileiros. Esta captação é a segunda rodada de investimento da Ebanx. Em 2017, a startup recebeu US$ 30 milhões e foi avaliada em US$ 150 milhões. Criada em 2012, a fintech processa os pagamentos de compras internacionais para mais de mil empresas.

9. Exact Sales

A empresa de software e metodologia para atração de clientes, qualificação de leads e aceleração de vendas B2B recebeu um aporte de R$ 15 milhões liderado pela Astella Investimentos. Em menos de cinco anos, a Exact Sales captou R$ 21 milhões. Atualmente, a startup tem 200 funcionários e projeta um faturamento de R$ 13 milhões para 2019.

10. Fractal Engenharia e Sistemas

A EDP Ventures Brasil, veículo de investimento de capital de risco do Grupo EDP, e o Criatec 3 anunciaram um coinvestimento de R$ 4,5 milhões na Fractal Engenharia e Sistemas. A empresa catarinense desenvolve soluções destinadas à previsão de eventos hidrológicos e sistemas inteligentes capazes de auxiliar no gerenciamento de barragens, promovendo a automatização de processos e aumentando o nível de segurança das usinas hidrelétricas.

11. GeekHunter

A empresa de tecnologia com soluções voltadas para o mercado de recrutamento de desenvolvedores de software recebeu um aporte de R$ 2 milhões da 42K Investimentos, com participação do grupo Gávea Angels, Bossa Nova Investimentos e Hangar 8.

Tomás Ferrari, CEO da GeekHunter, disse que pretende direcionar parte do recurso para aprimorar a tecnologia com o objetivo de elevar a eficiência dos processos de contratação de desenvolvedores e engenheiros de software. Além disso, espera aumentar o volume de profissionais disponíveis na plataforma, assim como fortalecer a expansão geográfica, que hoje está concentrada em São Paulo, Rio de Janeiro e Florianópolis.

Fundada em 2015, a startup tem hoje mais de 4 mil empresas e mais de 90 mil profissionais cadastrados na plataforma.

12. GlooPay

A fintech anunciou a captação de R$ 1,2 milhão dos fundos North Star e Axen Capital. Essa foi a primeira rodada de investimento da startup paulista, que criou uma solução focada em um público de 45 milhões de brasileiros mas ainda não lançou seu produto no mercado. A solução se destina a grupos de pessoas que buscam parcelar seus sonhos de consumo em comum, dando opção de pagamento compartilhado para desbancarizados e pessoas com baixo limite nos cartões de crédito.

13. IDGeo

A agtech de inteligência de dados geográficos para o agronegócio recebeu um aporte de R$ 700 mil da Poli Angels, associação de investidores-anjo lançada há pouco mais de um ano por ex-alunos da Escola Politécnica da USP. Fundada em 2013, a IDGeo já recebeu um aporte de R$ 1,5 milhão da Fapesp.

14. idwall

A Qualcomm Ventures investiu R$ 40 milhões na startup brasileira que desenvolve soluções automatizadas de validação de identidade e prevenção de fraudes. No ano passado, a empresa recebeu R$ 9 milhões em uma rodada de financiamento dos fundos Canary e Monashees, que também contou com a participação do Mercado Livre.

Fundada em 2016, a idwall tem soluções que utilizam recursos como reconhecimento facial, análise de dados e machine learning para agilizar verificações.

15. Olist

A startup de Curitiba recebeu um aporte de R$ 190 milhões do Softbank. Fundada em 2015, a Olist atende pequenos varejistas físicos, disponibilizando seus produtos em marketplaces, como Amazon, Mercado Livre, Submarino, Americanas.com e ViaVarejo, além de fazer a intermediação do contato com os consumidores.

Tiago Dalvi, fundador da startup, disse que a empresa planeja usar parte dos recursos para expandir o número de lojistas que usam sua plataforma, passando dos atuais sete mil para 100 mil em dois anos.

O Softbank anunciou este ano um fundo de US$ 5 bilhões para investir em startups na América Latina.

16. Resolvvi

A startup focada em reivindicar indenizações por problemas com companhias aéreas recebeu um aporte de R$ 2,2 milhões liderado pela DOMO Invest, GVAngels e Bossa Nova Investimentos. Em 2018, a empresa cearense já havia recebido R$ 150 mil da aceleradora WOW.

Fundada em 2017, a Resolvvi oferece um serviço de intermediação da compensação em situações de voos atrasados, cancelados, overbooking e extravio de bagagem.

17. SouSmile

A startup brasileira de aparelho invisível e clareamento dental recebeu um aporte de R$ 20 milhões liderado pela Kaszek Ventures e com participação do Global Founders Capital e Canary. Fundada há quase um ano, a SouSmile registra mais de 5 mil agendamentos em suas duas lojas na cidade de São Paulo.

18. TerraMagna

A agtech brasileira que atua com gerenciamento de riscos no agronegócio recebeu uma nova rodada de investimentos da The Yield Lab, aceleradora estrangeira especializada em novos negócios do setor. Em nota, a startup informou que ganhou um aporte no valor de R$ 2 milhões.

19. Theia

A startup que tem o objetivo de facilitar o acesso de pais ocupados a profissionais de saúde física e mental no cuidado dos filhos levantou R$ 7 milhões. Liderado pela Kaszek Ventures, o aporte será utilizado para o desenvolvimento e testes da plataforma. O lançamento está previsto para o início de 2020.

20. TNH Health

A startup que criou assistentes virtuais de saúde baseados em inteligência artificial levantou US$ 2 milhões em outubro. A rodada foi liderada pelo fundo americano Valor Capital Group. Fundada em 2013, com sede no Rio Negrinho, Santa Catarina, e escritórios em Joinville (SC) e São Paulo (SP), a startup usa chatbots para educar, engajar e monitorar pacientes.

21. Ubook

A startup de audiolivros recebeu um aporte de R$ 20 milhões da Confrapar. Criada em 2014, ela possui um acervo com mais de 300 mil títulos entre livros, revistas, podcasts, cursos e palestras. A narração é realizada por uma equipe de atores, editores, narradores, autores e sonoplastas.

O aplicativo da Ubook tem mais de 6,5 milhões de usuários cadastrados e o aporte será usado para aumentar a produção de conteúdos e expandir a operação internacional. Hoje, a empresa produz 450 horas por mês de conteúdo em diversas línguas e opera em nove países.

22. VirtusPay

A fintech que oferece parcelamento de compras on-line para quem não tem limite de crédito no cartão recebeu sua primeira rodada de investimentos dos fundos de capital de risco Vox Capital e Kviv Ventures. Juntos, os dois fundos aportaram R$ 6 milhões em troca de uma fatia acionária não divulgada da startup, que começou a operar em janeiro de 2018.