Notícia

M de Mulher

10 respostas para as dúvidas mais comuns sobre mestrado

Publicado em 27 abril 2011

Por Regina Terraz

Exibir o título de mestre em determinado assunto garante sabedoria, satisfação pessoal, melhorias na carreira e compensa também financeiramente. O estudo "Você no Mercado de Trabalho", da Fundação Getúlio Vargas (FGV) do Rio de Janeiro, mostra que cada ano de estudo acrescenta 15,7% a mais no valor do salário mensal.

Animou-se? Então, se você vem adiando o projeto de um mestrado por falta de tempo, dinheiro, ou simplesmente porque não sabe por onde começar, resolva aqui o seu problema! Leia o nosso tira-teima das dez dúvidas mais comuns sobre o assunto.

. Estou há muito tempo longe da universidade e quero fazer um mestrado. Isso dificulta que eu seja aceita?

Os especialistas recomendam voltar aos estudos por meio de uma especialização lato sensu, mais superficial e rápida. Conseguir uma vaga num curso desse tipo é mais fácil do que ser aceita num mestrado, que muitas vezes implica bastante trabalho (redigir um projeto de pesquisa, passar por provas, reunir recomendações, etc). Encare o curso lato sensu como uma preparação. Ele reaproximará você do universo acadêmico, de textos na sua área de interesse, de professores... E testará se a sua vontade de voltar a encarar os livros e aulas é para valer mesmo.

. Existem diferentes tipos de mestrado?

Sim. O acadêmico dá ênfase à teoria e é mais voltado à formação de professores e pesquisadores. Já o profissional tem como foco o mercado de trabalho, a prática dentro de um segmento específico. Ambos são oferecidos apenas em faculdades, tanto públicas quanto privadas.

. O que é importante observar na hora de escolher um curso?

O principal: verificar se ele é recomendado pelo Ministério da Educação (MEC). Sem essa aprovação, a importância e a validade do curso ficam comprometidas tanto para o mercado acadêmico quanto para o profissional. A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) avalia todos os mestrados. No site www.capes.gov.br é possível acessar a lista dos recomendados e um ranking daqueles que receberam melhores notas. Elas variam de três (curso mediano), quatro e cinco (bons), e seis e sete (de excelência internacional). Independentemente da pontuação alcançada, todos os cursos são descritos detalhadamente no site, com a reprodução do programa curricular, menção às dissertações anuais propostas por alunos, etc.

. Eu posso fazer mestrado numa área que não é a minha? Exemplo: publicitária que deseja ser mestre na área de finanças

Sim, desde que você cumpra os requisitos básicos para cursá-lo e seja aprovada pela instituição. Os critérios de admissão variam muito. Os menos concorridos analisam somente o currículo do candidato e as notas da graduação. Já os programas mais disputados geralmente submetem os interessados a provas de conhecimento específico na área. A universidade sugere uma bibliografia para estudos e informa que conceitos o teste abordará. Ou encaminha o aluno para instituições independentes que realizam a prova, procedimento comum na área de administração e economia. Há cursinhos preparatórios para esses testes (informe-se pela internet). As escolas também costumam solicitar carta de recomendação (de um ex-professor ou chefe do aluno, por exemplo), teste de competência em língua estrangeira, elaboração de redação, entrevista pessoal, entre outras.

. Não tenho dinheiro. Quais os caminhos possíveis para conseguir bancar o mestrado?

A Capes e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) fornecem uma cota de bolsas às faculdades, ou seja, cabe a elas distribuí-las entre alunos por meio de um processo de seleção. O CNPq também oferece bolsas individuais que podem ser solicitadas diretamente à entidade pelos candidatos, assim como os fundos estaduais de amparo à pesquisa (em São Paulo, quem se encarrega disso é a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Fapesp). Na maioria dos casos, o bolsista não pode estar empregado e precisa se dedicar integralmente aos estudos. Há ainda fundações, como a Fundação Ford, por exemplo, que também dão bolsas. Outra possibilidade é procurar faculdades conveniadas com bancos para financiar o mestrado.

. Preciso ser indicada por alguém para fazer mestrado?

As faculdades estão sempre atrás dos melhores alunos. O que importa é ter boas notas e a melhor qualificação. Mas, como alguns cursos são muito concorridos, cartas de recomendação de professores que atestem a seriedade do candidato podem ser úteis na seleção.

. Um mestrado vai me exigir, em média, quanto tempo de dedicação?

A grade média dos cursos é de seis horas-aula por semana. Para cada hora-aula, são necessárias de duas a três horas de estudo em casa. O ideal é ter de doze a dezoito horas semanais para dedicar ao mestrado. A duração do curso varia de um ano e meio a dois anos e meio, dependendo da instituição.

. O tema da dissertação precisa já ter sido escolhido na hora da inscrição ou pode ser decidido depois?

A maioria das faculdades exige que sejam apresentados, no ato da inscrição, o tema da dissertação e um pequeno resumo dela. O projeto de pesquisa pode ser decisivo para o ingresso ou não em um mestrado. Essas informações também são necessárias na hora de pleitear uma bolsa. Durante o curso, porém, é possível alterar o rumo da pesquisa. Segundo os especialistas, essa decisão deve ser tomada em conjunto com o orientador da tese.

. Como eu faço para escolher um tema de mestrado?

. Quais as vantagens e desvantagens de fazer mestrado em universidades públicas ou privadas?

Em geral, os cursos das universidades públicas são mais reconhecidos no mercado e por isso a disputa para entrar neles é maior. Além disso, os mestrados em universidades públicas são gratuitos. As instituições privadas também oferecem cursos excelentes, mas são pagos e, na maioria das vezes, caros (o valor total dos cursos varia entre R$ 20 mil e R$ 60 mil).

Matérias relacionadas